4 atitudes que fortalecem a imunidade das crianças

Share on facebook
Share on twitter
imunidade infantil

Uma das preocupações da maioria dos pais é saber como fortalecer a imunidade das crianças, afinal, durante a infância, com o início do contato com o mundo externo e social, é comum a presença frequente de gripes, resfriados, viroses ou dores de ouvido nas crianças, se tornando uma dor de cabeça para os pais e incômodo aos pequenos.

Um dos motivos que contribuem para o adoecimento na infância está relacionado à imaturidade do sistema imunológico, no qual o processo de desenvolvimento e produção de anticorpos só acontece na adolescência. Visto que o aparelho imune se encontra mais frágil do que o dos adultos, existem algumas atitudes que podem ajudar a fortalecer a imunidade das crianças. (1,2) Saiba mais nos próximos tópicos. 

Como funciona o sistema imunológico?

O sistema imune é formado por um time de células e moléculas dispersas pelo nosso corpo que tem a função de, primeiramente, reconhecer e, depois, destruir ou inativar qualquer condição considerada estranha ao organismo, como uma bactéria ou vírus. Para que esse papel de ataque seja executado corretamente, o sistema conta com a ajuda de alguns órgãos que produzem diversos tipos de células de defesa, como as amígdalas, medula óssea e até mesmo a nossa pele. Além desses órgãos, também existem tecidos, caracterizado como um conjunto de células, espalhados por inúmeras partes do corpo, como no intestino. (2)

É importante saber que as crianças já nascem com parte do sistema imunológico pronto, que vai se desenvolvendo aos poucos. Sendo assim, o início da formação desse sistema ocorre ainda no período gestacional. A ciência já entende que recém-nascidos possuem um conjunto de bactérias, fungos e outros microrganismos que habitam o corpo ao nascer. (2)

Além da formação desse microbioma simples, o bebê também recebe anticorpos da mãe via placenta, aumentando ainda mais a importância da vacinação na gestante. Especialistas também destacam os benefícios do parto vaginal para a imunidade do pequeno, uma vez que, ao passar pelo canal vaginal, entra em contato com os microrganismos da região, resultando no estímulo do microbioma que citamos logo acima.(2)

Quadros infecciosos são comuns na primeira infância, já que, nesse período, a imunidade ainda está em formação, aprendendo a realizar a diferenciação de substâncias no organismo. Com o passar do tempo, a criança começa a produzir suas próprias células de defesa, em resposta à vacinação e à exposição aos microrganismos. (3)

Ao frequentar diferentes ambientes, como creches, parques e shoppings, o aumento de infecções é esperado. Funciona como uma espécie de treinamento para a imunidade: pois, quando a criança entra em contato com novos microrganismos em diversos ambientes, aos poucos, o sistema imunológico fica mais eficiente, aprendendo a reconhecer e combater os vírus e bactérias. (3) 

imagem ilustrativa

Fortalecendo a imunidade de crianças

Existem algumas medidas que podem ajudar a dar um “up” na imunidade das crianças, fortalecendo as defesas do sistema imunológico e promovendo mais saúde para que ocorra a redução da aparição de problemas que impedem o aproveitamento pleno da infância, um dos períodos mais importantes da vida.

1 – Vacinação:

As vacinas são fundamentais para o fortalecimento do sistema imunológico em bebês e crianças, sobretudo no primeiro ano de vida.

Funciona assim: cada dose apresenta partículas de algum agente agressor, como vírus ou bactérias, mas sempre de modo atenuado ou inativado. O organismo identifica esses visitantes e produz anticorpos específicos para combater o agressor, sem adoecer. Então, caso o indivíduo entre em contato com o mesmo vírus ou bactéria no futuro, o sistema imune será capaz de identificá-lo e eliminá-lo, pois, a memória imunológica já foi estabelecida, antes que a doença tome forma. Portanto, a vacina é a maneira mais segura e eficaz de fortalecer a imunidade. A dor passa, mas a saúde fica! (3,2)

2 – Alimentação: 

Uma alimentação balanceada e colorida, que prioriza alimentos naturais, como frutas, verduras e carnes magras, é crucial para manter uma vida saudável, pois diversos minerais e vitaminas podem auxiliar na proteção das nossas células. Vale destacar, ainda, que o organismo precisa de proteínas para desenvolver os anticorpos e que alimentos in natura ricos em fibras são bastante indicados para o bom funcionamento do aparelho digestivo. (2)

Nutrientes essenciais na alimentação das crianças:

  • Vitamina A: desempenha um papel fundamental no equilíbrio do microbioma intestinal e do sistema imune. (2) Onde encontrar: leites, queijos, ovos, batata-doce, manga, mamão. (2)
  • Ácido fólico e vitamina B9: auxiliam na formação dos glóbulos brancos, principais mecanismos de defesa do nosso corpo. (4) Onde encontrar: espinafre, couve-manteiga, alface, agrião, brócolis e rúcula. (4)
  • Vitamina C: nutriente rico em antioxidantes, que pode evitar a ação dos radicais livres responsáveis por enfraquecer as células, potencializando a defesa imunológica do corpo. (4) Onde encontrar: laranja, acerola, kiwi, limão, goiaba, tangerina, mexerica, maracujá, caju, gengibre, inhame. (4)
  • Vitamina E: composto que atua como antioxidante e favorece o desenvolvimento do sistema imunológico. (4) Onde encontrar: sementes oleaginosas e leguminosas, como castanha-do-pará, nozes, linhaça, chia, amêndoas, feijão, ervilha, lentilha, grão-de-bico, vagem, soja. Dica: os ômegas 3, 6 e 9 também são abundantes nesses alimentos e podem melhorar tanto a resposta imunológica quanto a ação anti-inflamatória do corpo. (4) 

3 – Higienização: 

Crianças sempre levam as mãos para a boca, olhos e nariz. Dali, os vírus e as bactérias podem se proliferar para dentro do organismo. Então, a higienização das mãos é fundamental e deve ser feita antes de realizar atividades como brincar ou ir ao banheiro, como também depois de cada refeição. (1)

Ainda falando de higienização, mas relacionada à ambientação, entramos na pauta “criança que se suja fica menos doente”. A Teoria da Higiene, apresentada pelo médico inglês David Strachan, diz que crianças que vivem em lugares limpos demais são mais propensas a desenvolver doenças alérgicas. Alguns pais costumam esterilizar tudo que encontram e esse excesso de limpeza pode mais prejudicar do que ajudar. (2)

Mesmo sendo uma hipótese, a recomendação é seguir um método equilibrado: atitudes higiênicas como lavar as mãos serão sempre bem-vindas, mas não privar a criança de ter contato com a terra, animais e brincadeiras ao ar livre também é importante. (2) 

imunidade infantil

4 – Suplementação:

Alimentos fortificados e suplementos vitamínicos são opções recorrentes, no entanto, a recomendação da introdução desses produtos na alimentação infantil deve ser feita sob a orientação do pediatra ou de um nutricionista. (2)

Alimentos fortificados têm algumas funções, como repor nutrientes perdidos na preparação ou evitar a carência de certas substâncias no organismo. A suplementação, aplicada em dosagem correta e responsável, pode servir para tratar ou prevenir doenças, então, é sempre bom ficar atento ao nível nutricional das crianças e manter as visitas ao pediatra em dia. (2)

Bônus: a importância da amamentação para a imunidade das crianças

Você sabia que a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o aleitamento materno como fonte de alimentação exclusiva do bebê até os seis meses de vida? Essa orientação se deve pelo fato de que o leite materno é rico em nutrientes essenciais para a construção da imunidade dos bebês. (1)

Durante a amamentação, a criança recebe anticorpos maternos presentes no leite. Inclusive, o colostro é considerado a primeira vacina. Ademais, o contato com os microrganismos da pele da mãe também favorece a colonização do microbioma do intestino, que entra pela boca do bebê. Um outro ponto interessante é que as terminações nervosas presentes na auréola fazem a “leitura” da saliva do bebê e produzem o leite de acordo com as necessidades dele no momento. Ou seja, o leite tem a capacidade de se adaptar para combater infecções. Incrível! (2)

Claro que isso não é uma dica que pode ser implementada na vida de crianças se o objetivo é fortalecer a imunidade, mas é sempre bom lembrar sobre a importância da amamentação, inclusive para a imunidade!

Como vimos, o sistema imunológico das crianças está em processo de amadurecimento e isso explica o porquê de tantas infecções surgirem nesse período. Sendo assim, entendemos que é preciso que haja o fortalecimento de todo o sistema, para que possam usufruir de cada momento da infância, repleto de saúde e disposição!

Fontes: 
  1. GONÇALVES, Fabiana. Como fortalecer a imunidade das crianças. Unimed, 2019. Disponível em: <https://www.unimed.coop.br/viver-bem/pais-e-filhos/como-fortalecer-a-imunidade-das-criancas>. Acesso em 24 ago. 2021.
  2. SANTOS, Luma. Saúde protegida. Crescer, p. 25-33. Disponível em: <https://www.spsp.org.br/PDF/CF305_04_2019_IMUNIDADE.pdf>. Acesso em 24 ago. 2021.
  3. POR que será que meu filho está sempre doente? Veja São Paulo, 2018. Disponível em: <https://vejasp.abril.com.br/saude/por-que-sera-que-meu-filho-esta-sempre-doente/>. Acesso em 24 ago. 2021.
  4. STEVAUX, Débora. 7 alimentos para aumentar a imunidade das crianças nos dias frios. Claudia, 2017. Disponível em: <https://claudia.abril.com.br/saude/7-alimentos-para-aumentar-a-imunidade-das-criancas-nos-dias-frios/>. Aceso em 24 ago. 2021.

Deixe um comentário

Deixe aqui seu e-mail pra receber conteúdos incríveis sobre qualidade de vida.

CATEGORIAS
Share on facebook
Share on twitter

VEJA TAMBÉM

Como escolher um bom Ômega 3?

Essa situação já deve ter acontecido com você: em busca de um bom suplemento Ômega 3, você entra na loja e fica perdido com a quantidade de produtos que contém essa substância. Na internet não é diferente: parece que quanto mais você procura, mais opções aparecem. E agora? Não se preocupe: separamos algumas orientações valiosas para que você escolha o suplemento com ômega 3 que poderá lhe garantir todos os benefícios que você precisa. Veja:

Atividade física: remédio para o coração

Fonte: sintaseucoracao.com.br Pesquisas não param de apontar uma relação estreita entre a prática cotidiana de exercícios e a prevenção de males cardiovasculares. Mas quais são os