Alimentos anti-inflamatórios

Share on facebook
Share on twitter

Os médicos estão aprendendo que uma das melhores formas para dominar a inflamação não está no armário de remédios, mas na geladeira.

Seu sistema imunológico ataca qualquer coisa em seu corpo que reconhece como estranho, como um micro-organismo invasor, pólen de plantas ou químicas, e este processo é chamado de inflamação. Impulsos intermitentes de inflamação são dirigidos aos invasores verdadeiramente ameaçadores para proteger a sua saúde.

No entanto, por vezes a inflamação persiste dia após dia, mesmo quando você não está sendo ameaçado por um micro-organismo estranho. É nessa hora que a inflamação pode se tornar sua inimiga. Muitas doenças graves que nos afligem, incluindo câncer, doenças cardíacas, diabetes, artrite, depressão e Alzheimer têm sido associadas a inflamação crônica.

Uma das ferramentas mais poderosas para combater a inflamação não vem da farmácia, mas da mercearia. “Muitos estudos experimentais têm mostrado que alguns componentes de alimentos ou bebidas podem ter efeitos anti-inflamatórios,” diz o Dr. Frank Hu, professor de nutrição e epidemiologia do Departamento de Nutrição de Harvard.

Escolha os alimentos certos, e você será capaz de reduzir os riscos de doença, assim como se escolher os errados, você poderá acelerar o processo inflamatório.

Alimentos promotores de Inflamação

Tente evitar ou limitar esses alimentos, tanto quanto possível:

  • carboidratos refinados, como pão branco e doces
  • batatas fritas e outros alimentos fritos
  • refrigerantes e outras bebidas adoçadas com açúcar
  • carne vermelha (hambúrgueres, carnes) e carne processada (linguiça, salsicha)
  • margarina, gordura e banha de porco

Não surpreendentes, os mesmos alimentos que contribuem para a inflamação são geralmente considerados ruins para a nossa saúde, incluindo refrigerantes, carboidratos refinados, bem como a carne vermelha e carnes processadas.

“Alguns dos alimentos que têm sido associados com maior risco para doenças crônicas, como diabetes tipo 2 e doenças cardíacas também estão associados com a inflamação em excesso”, diz Dr. Hu. “Não é surpreendente, uma vez que a inflamação é um mecanismo subjacente importante para o desenvolvimento dessas doenças.”

Alimentos não saudáveis ​​também contribuem para o ganho de peso, o que em si é um fator de risco para a inflamação. No entanto, em vários estudos, mesmo depois que os pesquisadores levaram em conta a obesidade, a ligação entre alimentos e inflamação permaneceu, o que sugere o ganho de peso não é o único culpado. “Alguns dos componentes dos alimentos ou ingredientes podem ter efeitos independentes sobre a inflamação e acima de tudo, o aumento da ingestão calórica”, diz Dr. Hu.

Os alimentos que combatem à inflamação

Inclua com abundância esses alimentos anti-inflamatórios em sua dieta:

  • tomates
  • azeite
  • ômega 3
  • vegetais de folhas verdes, como espinafre, couve e couve chinesa
  • nozes, como amêndoas e castanhas
  • peixes ricos em gordura como o salmão, atum, sardinha e arenque
  • frutas, como morangos, amoras, cerejas, mirtilos e laranjas
  • especiarias como cravo, gengibre, alecrim, cúrcuma, orégano, tomilho e alho


Os alimentos anti-inflamatórios, por outro lado, são os alimentos que mostraram reduzir o risco de inflamação e com ela, doenças crônicas, diz o Dr. Hu. Ele observa, em particular frutas e legumes, como mirtilos, maçãs e folhas verdes, que são ricas em antioxidantes naturais e compostos polifenóis protetores, encontrados em plantas.

Estudos também têm associado as nozes a redução de inflamação, menor risco de doença cardiovascular e diabetes, assim como o ômega 3 de fonte animal auxilia a reduzir o processo inflamatório e estresse oxidativo.

Consumir alimentos anti-inflamatórios

Para reduzir os níveis de inflamação, em geral, siga uma dieta saudável. Se você está procurando um plano alimentar que siga de perto os princípios de uma alimentação anti-inflamatória, considere a dieta mediterrânea, que é rica em frutas, legumes, nozes, grãos integrais, peixes e gorduras boas.

Além de diminuir a inflamação, uma dieta mais natural e menos processada, ​​pode ter efeitos significativos sobre a sua saúde física e emocional. “Uma dieta saudável é benéfica não só para reduzir o risco de doenças crônicas, mas também para melhorar o humor e qualidade de vida em geral”, diz Dr. Hu.

Deixe um comentário

Deixe aqui seu e-mail pra receber conteúdos incríveis sobre qualidade de vida.

Share on facebook
Share on twitter

VEJA TAMBÉM

Qual a diferença entre os ômegas 3 disponíveis no mercado?

A maioria das pessoas já ouviu falar no ômega 3, porém este assunto ainda causa dúvidas em muita gente. As fontes desse tipo de gordura benéfica ainda não são conhecidas por todos, além disso, existem algumas diferenças entre os ácidos graxos ômega 3 de acordo com a sua origem e o seu tipo.