Como a pele pode sofrer os efeitos do estresse e da má alimentação?

Share on facebook
Share on twitter

Você já notou alterações na  sua pele quando passou por longos períodos de estresse ou manteve hábitos alimentares ruins? Pois é, tais fatores podem, sim, desencadear efeitos prejudiciais à nossa pele.

A pele é considerada o maior órgão do corpo, revestindo todo o nosso organismo. (1) Por isso, é importante mantê-la sempre saudável e ficar atento às condições que podem prejudicar a saúde da cútis, como o estresse crônico e a má alimentação.

Neste texto, vamos abordar os efeitos que esses dois fatores citados podem ocasionar na pele e apresentar as formas de prevenir o problema.

Algumas informações sobre a pele

A pele é uma estrutura indispensável à vida e representa cerca de 12% do nosso peso corporal. Ela é composta por duas camadas: epiderme e derme. A principal função da epiderme, um tecido epitelial, é a de produzir queratina. A derme, por sua vez, trata-se de um tecido forte e maleável, com propriedades viscoelásticas que realiza o suporte nutricional da epiderme. (1)

O papel fundamental da pele é o de atuar na linha de defesa do organismo contra agentes patológicos. Ao realizar essa ação corretamente, a barreira cutânea (formada por microbiota, água e oleosidade natural) retém a umidade e mantém a pele hidratada, bloqueando a entrada de substâncias alérgicas ou que possam causar doenças. (2,3)

Quando essa proteção não ocorre de forma correta, pode atingir níveis crônicos de inflamação de baixo grau, como também o aumento dos radicais livres, que danificam a pele e aceleram o envelhecimento. (2,3)

Entendendo a importância e função da pele para a nossa saúde, vamos descobrir como o estresse prolongado e a má alimentação podem interferir na vitalidade desse órgão. 

Como o estresse pode afetar a pele?

O estresse é um mecanismo de defesa natural do organismo. Em situações que nos sentimos ameaçados de alguma forma, o corpo reage com uma resposta conhecida como “luta ou fuga”: é quando a frequência cardíaca aumenta, a respiração acelera, os músculos contraem e o nível da pressão arterial sobe. (3,4)

Em pequenas doses, o estresse é necessário e benéfico. Porém, em excesso, ele pode ser prejudicial, se tornando um fator de risco para o surgimento de diversas patologias, inclusive, as que são relacionadas à pele. (4)

Quando o estresse se manifesta, os hormônios adrenalina e cortisol são liberados em alta quantidade. Tais substâncias são capazes de enfraquecer a barreira de defesa da pele, resultando na diminuição da produção de óleos benéficos que auxiliam a mantê-la hidratada. A partir desse momento, a pele começa a “vazar” água, em um processo chamado perda transepidérmica de água. Conforme a água vai evaporando, a pele se mostra cada vez mais seca e comprometida, facilitando o acesso de patógenos às camadas mais profundas da cútis. (2,5)

O alto nível de cortisol pode, ainda, aumentar a oleosidade da pele. Esse hormônio provoca um aumento de estímulo nas glândulas oleosas que ficam mais dilatadas. Consequentemente, os poros ficam mais abertos, a oleosidade toma conta e as acnes começam a surgir. (5)

O excesso de cortisol também tem demonstrado a ação de inibir a produção de colágeno (que previne linhas finas e rugas), ácido hialurônico (mantém a elasticidade da pele) e lipídios saudáveis, como ceramida (ajuda a reter a umidade). (2)

As doenças de pele mais comuns que podem piorar por conta do estresse são: (6) 

  • Dermatite atópica: processo inflamatório que causa lesões avermelhadas na pele que coçam muito e podem descamar.
  • Psoríase: doença inflamatória crônica caracterizada por manchas secas que, geralmente, se formam nos cotovelos, joelhos e couro cabeludo.
  • Urticária: irritação cutânea que pode surgir de repente em qualquer região do corpo.
  • Vitiligo: redução ou falta de pigmento que dá cor à pele em diversas regiões do corpo, o que faz surgir manchas brancas.

Para prevenir os problemas que podem surgir na pele devido ao estresse crônico, é preciso, primeiramente, definir as causas que provocam essa condição. Depois, se possível, procurar se afastar ou buscar ajuda profissional para lida com a situação. (6,7)

As emoções são importantes fatores em todas as doenças de pele. Então, medidas como dormir bem, fazer terapia, viver momentos de lazer, praticar atividades físicas e manter hobbies saudáveis também são recomendados. (6,7) 

Como a má alimentação pode afetar a pele?

Assim como o estresse é um desencadeador de problemas na pele, a má alimentação também carrega a sua parcela de culpa. Estudos apontam que o consumo de alimentos ricos em gorduras, bebidas e outros itens açucarados, além de leite e derivados, está relacionado ao surgimento significativo de acnes. (8)

Portanto, é preciso sempre buscar o equilíbrio e priorizar boas escolhas alimentares para evitar o surgimento de inflamações na pele. O cuidado com o cardápio é essencial e é sempre bom lembrar que a saúde refletirá no espelho. (8)

Também é importante ficar atento ao consumo de produtos com alto índice glicêmico (IG). O índice gicêmico classifica as fontes de carboidrato de acordo com a velocidade com que a glicose cai na circulação. Biscoitos e bolos produzidos com farinha refinada, refrigerantes e sucos de caixinha são exemplos de produtos com níveis elevados de IG. (8)

O que acontece é que esses alimentos são rapidamente absorvidos no organismo, o que eleva a glicemia. A partir daí, o pâncreas libera ainda mais a insulina para compensar o aumento do açúcar no sangue. Quando esse fenômeno acontece, provoca um desarranjo hormonal, que é capaz de interferir no funcionamento das glândulas sebáceas, intensificando a oleosidade da pele. (8)

Sem contar que o organismo todo é prejudicado por essa desorganização. Então, para equilibrar o índice glicêmico, o ideal é juntar itens de médio ou alto IG com boas fontes de fibras, porque elas diminuem a liberação de açúcar no sangue. Um exemplo é incluir grãos cereais nas receitas. (8)

O segredo, como sempre, está na moderação. Além de alimentos com alto índice glicêmico, é importante evitar o consumo excessivo de laticínios e alimentos fontes de gordura, principalmente o tipo saturado e trans, pois há o perigo de se criar uma resistência à insulina, o hormônio que tira o açúcar da corrente sanguínea. Esse processo pode interferir na atuação de glândulas espalhadas pelas superfícies do corpo, culminando em mais inflamação e produção de sebo. (8)

Quais alimentos e nutrientes inserir na dieta para evitar efeitos prejudiciais à pele?

Alimentos com baixo índice glicêmico: como peixes, legumes, frutos e raízes  da cor laranja (cenoura, abóbora etc.), verduras verde-escuras (brócolis, couve) e frutas cítricas alteram os níveis de testosterona, diminuindo os estoques de glicogênio nas glândulas sebáceas e limitando a secreção de sebo delas, que é controlada por hormônios. (9)

Zinco e vitamina A: um estudo na Suécia apontou que indivíduos com acnes apresentam níveis menores desses dois nutrientes no sangue. Então, garantir o consumo de alimentos ricos em zinco, como frutos do mar, grãos integrais e oleaginosas (castanhas e amêndoas), como também aumentar a ingestão de alimentos ricos em vitamina A, como fígado de gado, salmão, atum, queijos brancos e ovos, também é importante. (9)

Abacate, castanhas e azeite de oliva: um estudo italiano aponta que o consumo desses alimentos pode ser benéfico à pele, pois têm poder contra a acne. (8,10)

Frutas e vegetais no geral: afinal, comer frutas e vegetais deixa a pele com uma aparência melhor. Hortaliças, verduras e grãos fazem muito pela saúde da cútis. Frutas, como uva, mirtilo, açaí, jabuticaba, amora, cereja, também são aliadas à vitalidade cutânea. Caprichar em cenoura, mamão, abóbora e pêssego também são ótimas opções.

Como vimos, a nossa pele desempenha importante função na defesa do nosso organismo. Por isso, é essencial mantê-la sempre saudável.

Para isso, a palavra que precisamos ter em mente é o equilíbrio. Equilíbrio no nosso dia a dia, encontrando maneiras de diminuirmos o estresse na rotina e equilíbrio, também, na alimentação, buscando opções mais saudáveis quando possível.

Fontes:
  1. SOUSA, Suely L. de Moura; COSTA, Wallace Batista da. Abordagem nutricional na prevenção do envelhecimento da pele. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, v. 12, a. 5, e. 8, p. 137-143, 2020. Disponível em: <https://www.nucleodoconhecimento.com.br/nutricao/envelhecimento-da-pele>. Acesso em 27 out. 2021.
  2. LAMOTTE, Sandee. Dicas para combater os efetitos do estresse na pele. CNN Brasil, 2021. Disponível em: <https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/sua-pele-sob-estresse-espinhas-rugas-opacidade-e-muito-mais/>. Acesso em 27 out. 2021.
  3. COSTA, Geisa. Afinal, como o estresse pode afetar a pele? Veja Saúde, 2021. Disponível em: <https://saude.abril.com.br/blog/com-a-palavra/afinal-como-o-estresse-pode-afetar-a-pele/>. Acesso em 27 out. 2021.
  4. VIDALE, Giulia. Os efetios visíveis do estresse. Veja, 2020. Disponível em: <https://veja.abril.com.br/saude/os-efeitos-visiveis-do-stress/>. Acesso em 27 out. 2021.
  5. VILARINHO, Adriana. Os efetos do stress da quarentena na saúde da pele e dos cabelos. Veja, 2020. Disponível em: <https://veja.abril.com.br/blog/letra-de-medico/os-efeitos-do-estresse-da-quarentena-na-saude-da-pele-e-dos-cabelos/>. Acesso em 27 out. 2021.
  6. RIBEIRO, Maiara. Como o estresse afeta a pele? Drauzio Varella. Disponível em: <https://drauziovarella.uol.com.br/dermatologia/como-o-estresse-afeta-a-pele/>. Acesso em 27 out. 2021.
  7. SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA. Sociedade Brasileira de Dermatologia alerta: estresse e ansiedade causados pela quarentena são gatilhos para surgimento ou piora de doenças psicodermatológicas. 2020. Disponível em: <https://www.sbd.org.br/noticias/sociedade-brasileira-de-dermatologia-alerta-estresse-e-ansiedade-causados-pela-quarentena-sao-gatilhos-para-surgimento-ou-piora-de-doencas-psicodermatologicas/>. Acesso em 27 out. 2021.
  8. PEREIRA, Regina Célia. Quando a dieta dispara a acne. Veja Saúde, 2021. Disponível em: <https://saude.abril.com.br/medicina/quando-a-dieta-dispara-a-acne/>. Acesso em 27 out. 2021.
  9. DREHMER, Raquel. Alimentação x acne: o que os estudos científicos revelam sobre esta relação. Claudia, 2018. Disponível em: <https://claudia.abril.com.br/saude/alimentacao-x-acne-o-que-estudos-cientificos-revelam-sobre-esta-relacao/>. Acesso em 27 out. 2021.
  10. COMER frutas e vegetais todos os dias melhora a aparência da pele, diz estudo. Veja, 2012. Disponível em: <https://veja.abril.com.br/saude/comer-frutas-e-vegetais-todos-os-dias-melhora-a-aparencia-da-pele-diz-estudo/>. Acesso em 27 out. 2021.

Deixe um comentário

Deixe aqui seu e-mail pra receber conteúdos incríveis sobre qualidade de vida.

Share on facebook
Share on twitter

VEJA TAMBÉM