‘Gorduras boas’ são saudáveis para acrescentar nas receitas

Share on facebook
Share on twitter

Fonte: vidaeestilo.terra.com.br

Nozes, avelãs, amêndoas, castanhas (de caju e do Brasil), macadâmias, pistaches, entre outras, integram o grupo conhecido como oleaginosas, que são alimentos fontes de gorduras poli-insaturadas (gordura boa), vitamina E, selênio, zinco, entre outros nutrientes. “Elas podem auxiliar na manutenção do peso, na diminuição do colesterol, na prevenção das dores de cabeça e até na redução do estresse”, explica a nutricionista Gisela Savioli, autora, entre outros, do livro Alimente bem suas emoções(Ed. Loyola).

Seu consumo, porém, precisa ser moderado, pois mesmo contendo gorduras boas, são calóricas. Além disso, elas são difíceis de digerir, podem desencadear processos alérgicos e apresentar fungos. “Por isso, o ideal é não ultrapassar a quantidade recomendada para o consumo, e com rodízio entre as oleaginosas para diminuir a incidência de alergia”, orienta a nutricionista funcional Andrezza Botelho.

Quanto ingerir
Para crianças entre 4 a 8 anos, a recomendação é de meia castanha do Brasil e três nozes (ou de castanha de caju) por semana, sempre em dias alternados. No caso dos adolescentes, a porção é de uma castanha do Brasil, de três a cinco nozes e de 20 a 40 gramas de castanha de caju, também por semana e em dias alternados.

Mais sabor entre as refeições
As oleaginosas são uma boa opção de complemento nos lanches da manhã ou da tarde, pois conferem saciedade. Vale ainda usá-las em preparações, já que não perdem tanto o seu valor nutricional. As nozes vão bem em molho pesto, enquanto que as castanhas de caju e do Brasil são ótimas para incrementar o arroz integral. “Lascas de amêndoas podem ser salpicadas em uma salada de folhas para conferir crocância e dar um toque diferenciado à refeição”, ensina Andrezza.

Conserve bem
O ideal é comprar as oleaginosas na casca e conservá-las em pote de vidro, com vedação e na geladeira. “Elas não devem ficar expostas ao sol ou a qualquer fonte de calor como forno, fogão e micro-ondas, pois isso aumenta a chance de desenvolver fungos. Assim, tanto crianças quanto adolescentes terão mais segurança na hora de consumi-las”, orienta Andrezza.

 

Deixe um comentário

Deixe aqui seu e-mail pra receber conteúdos incríveis sobre qualidade de vida.

CATEGORIAS
Share on facebook
Share on twitter

VEJA TAMBÉM

Vitamina D, alimentação e sol

Sempre escutamos profissionais da saúde como o Dr. Lair Ribeiro, alertando sobre a importância da Vitamina D para a saúde e bom funcionamento do nosso organismo, não é mesmo?

A vitamina D, também conhecida como vitamina do sol, A Vitamina D é um pró-hormônio produzido a partir da ação do raio ultravioleta B na pele. As duas principais formas são a vitamina D2 (ergocalciferol) e a vitamina D3 (colecalciferol). No fígado, a vitamina D3 é transformada em 25 hidroxi-vitaminaD.

Alimentos anti-inflamatórios

Os médicos estão aprendendo que uma das melhores formas para dominar a inflamação não está no armário de remédios, mas na geladeira. Seu sistema imunológico

Ômega 3 de algas: conheça seus benefícios

Quando se fala em ômega 3, qual é a primeira coisa que vem a sua cabeça?

Algumas pessoas pensam em linhaça e a maioria pensa em cápsulas, não é mesmo? Até aí tudo bem, pois ele pode ser consumido através de bons suplementos.

Algumas pessoas também sabem que esta substância está presente na natureza em peixes gordos de mares gelados como sardinha, atum, arenque, anchova e salmão selvagem.

O que pouca gente sabe, é que o ômega 3 pode ser consumido através das algas!