Guia do bom (suplemento de) ômega 3

Com tanta oferta de ômega 3 no mercado é comum que você fique confuso sobre qual produto comprar. Nas prateleiras, lado a lado, as marcas competem entre si, muitas vezes prometendo milagres nas propagandas. Mas cuidado! É a sua saúde que está em jogo. Por isso nós vamos te ajudar! O mais importante é saber que somente os bons suplementos têm os nutrientes essenciais e na quantidade correta para que você aproveite todos os benefícios do ômega 3 para seu organismo.
Share on facebook
Share on twitter

Com tanta oferta de ômega 3 no mercado é comum que você fique confuso sobre qual produto comprar. Nas prateleiras, lado a lado, as marcas competem entre si, muitas vezes prometendo milagres nas propagandas.

Mas cuidado! É a sua saúde que está em jogo. Por isso nós vamos te ajudar!

O mais importante é saber que somente os bons suplementos têm os nutrientes essenciais e na quantidade correta para que você aproveite todos os benefícios do ômega 3 para seu organismo.

Entre esses benefícios estão a melhora das funções cerebrais e do sistema cardiovascular, melhora da imunidade, fortalecimento e beleza da pele e cabelos, benefícios para as gestantes e bebês e muitos outros! Veja aqui mais benefícios do ômega 3!

Mas o que é o ômega 3?

O ômega 3 representa uma família de ácidos graxos essenciais que se divide em três tipos:  ácido eicosapentaenoico (EPA),  o ácido docosahexaenoico (DHA) e o ácido alfa-linolênico (ALA).

O EPA tem ação anti-inflamatória, já que auxilia as reações enzimáticas responsáveis pela produção de prostaglandinas E3, uma substância que faz parte das nossas defesas contra as inflamações por ajudar a neutralizar a atividade pró-inflamatória de outras moléculas semelhantes.

Um dos principais benefícios do EPA é auxiliar a saúde do coração e a circulação sanguínea, evitando a formação de trombos (coágulos) no sangue e diminuindo os riscos de trombose e de acidente vascular cerebral.

O DHA possui ação antioxidante e é o ácido graxo mais benéfico para a saúde do cérebro, já que favorece a cognição e as conexões entre os neurônios, ajuda a formar a retina dos nossos olhos, beneficia a memória, atenção, raciocínio, imaginação, juízo e diversos outros aspectos relacionados à nossa mente. Além disso é essencial para um bom desenvolvimento fetal.

Pesquisas apontam que o ômega 3 pode aumentar os níveis de serotonina e dopamina – produtos químicos do cérebro, diminuindo a depressão e violência.

O ômega 3 pode ajudar a proteger contra a doença de Alzheimer e demência, e tem um efeito positivo sobre a perda de memória associada ao envelhecimento gradual. Estudos comprovam que o ômega 3 auxilia também na concentração!

guia-do-bom-suplemento-de-omega-3-1

O ALA é um ômega 3 essencial de cadeia curta e de origem vegetal. Nossos corpos também não podem produzi-lo por conta própria, sendo necessária a sua ingestão através de suplementos ou alimentos.

O ALA pode ser convertido em DHA ou em EPA depois de ser ingerido. Ele é encontrado em suplementos prensados a frio ou em sementes como chia e linhaça. Além disso ele também está presente em pequenas quantidades em outras fontes vegetais, tais como o espinafre e a couve.

Mas como escolher um bom suplemento?

Como dissemos no começo, escolher o melhor ômega 3 pode ser um desafio, mas existem algumas características que apenas os bons suplementos têm e que fazem toda a diferença para sua saúde.

Para ser um ômega 3 de qualidade, ele tem que:

1 – Ter a concentração adequada de nutrientes (ativos): aqui é preciso ficar atento ao rótulo do produto. Ele deve conter todas as informações nutricionais presentes na formulação, principalmente a quantidade de EPA (ácido eicosapentaenoico) e DHA (ácido docosahexaenoico). Apenas os bons suplementos contêm a concentração diária recomendada para sua saúde.  

De modo geral, algumas organizações de saúde recomendam uma quantidade diária de 250 a 500 miligramas (mg) de EPA e DHA para adultos saudáveis diariamente.

Porém, a quantidade de ômega 3 que deve ser ingerida por dia pode variar de pessoa para pessoa. O ideal é procurar a orientação de um médico nutrólogo ou de um nutricionista. Este profissional poderá lhe indicar a quantidade adequada para seu caso, que varia conforme o peso, idade, condições de saúde, entre outros fatores.

2 – Conter Vitamina E: é essencial para a preservação do produto. A Vitamina E atua como antioxidante, o que mantém a qualidade do óleo. Além disso, esta vitamina é um excelente antioxidante natural, que faz bem para a sua saúde e para a melhor durabilidade dos ácidos graxos! Mais uma vez, olho no rótulo!

guia-do-bom-suplemento-de-omega-3-2

3 – Ser prensado a frio: Nos suplementos que contém ALA (ômega 3 de origem vegetal), certifique-se que ele foi obtido pelo método prensado a frio.  É o único método de extração de óleos vegetais capaz de garantir a integridade funcional de um óleo 100% puro, que oferece os benefícios das matérias primas ricas em ômegas.

É por isso que todas os óleos vegetais da Vital Âtman são extraídos através deste processo!

E como ele funciona? Nele, as sementes caem no interior de um cilindro que esmaga as sementes em uma câmara de compressão, até a extração do óleo.

Este óleo sai por pequenos furos no cilindro e é recolhido em um recipiente apropriado. Embora um pouco de calor seja gerado através da fricção quando a máquina quebra as sementes, ele não é suficiente para danificar o óleo. Para isso há um monitoramento constante da temperatura, pois a extração a frio não pode ultrapassar 60ºC (isso para preservar as propriedades naturais das sementes).

A Vital Âtman é pioneira nesta técnica de extração a frio de óleos naturais no Brasil, produzindo, desde 1998, óleos 100% puros, sem adicionar nenhum composto químico.

Por serem considerados puros e ricos em ômegas, os óleos prensados a frio são considerados alimentos funcionais.

4 – Ser livre de metais tóxicos: infelizmente bilhões de toneladas de lixo tóxico são jogados, todos os anos, nos oceanos. Entre eles estão alguns metais pesados como arsênico, chumbo, cádmio, mercúrio e alumínio, que podem entrar em nossa cadeia alimentar através do consumo de peixes e seus derivados.

Isso se torna ainda mais preocupante uma vez que  o corpo humano é incapaz de produzir metais pesados, tampouco processá-los após tê-los absorvido. Ou seja, conforme vamos adquirindo esses metais, eles vão se acumulando no nosso organismo e começam a comprometer especialmente o nosso metabolismo, atrapalhando diversas reações enzimáticas que são importantíssimas para nossa saúde e bem-estar.

Apesar de haver tratamento, a melhor saída para evitar a contaminação por metais pesados ainda é a informação e a prevenção, daí a importância de sabermos a procedência de todos os alimentos e produtos que consumimos.

Por isso é importante valorizar o consumo de vegetais orgânicos cultivados sem agrotóxicos, por exemplo, e utilizar suplementação nutricional comprovadamente livre de metais pesados, como os produtos da Vital Âtman, que garante isenção de metais pesados em toda a sua linha de óleos.

guia-do-bom-suplemento-de-omega-3-3

Conclusão:

Então, antes de comprar seu ômega 3 fique atento!

– Desconfie de produtos com preços muito abaixo do mercado: geralmente eles contêm uma quantidade insuficiente de EPA e DHA, (abaixo do recomendado para suas necessidades) e podem não ser isentos de metais tóxicos;

– Verifique se a vitamina E está presente na composição do produto. Ela atua como antioxidante, o que mantém a qualidade do óleo;

– Se o suplemento for de origem animal, tenha a certeza de que o óleo de peixe seja livre de metais tóxicos;

– Observe se o produto possui garantia de pureza;

– Busque por uma empresa idônea, responsável e transparente;

– Na hora da compra e consumo, siga sempre as orientações do seu médico ou nutricionista.

Deixe aqui seu e-mail pra receber conteúdos incríveis sobre qualidade de vida.

Share on facebook
Share on twitter

VEJA TAMBÉM

10 tendências alimentares para 2018!

Você já deve ter visto algum desfile de moda com as tendências para 2018, certo? Mas já pensou se em vez de sapatos, bolsas e vestidos, fossem os alimentos os protagonistas?

É claro que eles não vão subir na passarela, mas a verdade é que eles estão seguindo um padrão cada vez mais saudável e sustentável. Isso é consequência da necessidade de cuidarmos do nosso corpo e do planeta, o que reflete diretamente nas nossas escolhas alimentares.

Veja quais tipos de alimentos estão entre as “tendências” para 2018: