Zeaxantina e luteína: conheça os amigos da sua saúde ocular

Os nomes são um pouco estranhos, difíceis de pronunciar e provavelmente você nunca ouvir falar deles. O curioso é que você até pode estar se beneficiando da luteína e da zeaxantina sem saber.
Share on facebook
Share on twitter

Os nomes são um pouco estranhos, difíceis de pronunciar e provavelmente você nunca ouvir falar deles. O curioso é que você até pode estar se beneficiando da luteína e da zeaxantina sem saber.

 

Mas afinal, o que são eles?

A luteína e a zeaxantina são dois importantes carotenoides, pigmentos produzidos por plantas que dão uma coloração amarela e avermelhada às frutas e vegetais.  De acordo com pesquisadores italianos, eles são estruturalmente muito semelhantes, com apenas uma pequena diferença no arranjo de seus átomos. Mas ambos são potentes antioxidantes e oferecem inúmeros benefícios para a saúde, principalmente a dos olhos.

 

Mas como?

 

A luteína e zeaxantina são poderosos antioxidantes que defendem seu corpo contra moléculas instáveis chamadas radicais livres. 

 

Estudos já comprovaram que, em excesso, os radicais livres podem danificar as células, contribuir para o envelhecimento e levar à progressão de doenças oculares, cardíacas, câncer, diabetes tipo 2 e doença de Alzheimer.

 

Nesse contexto, a luteína e a zeaxantina protegem as proteínas, gorduras e o DNA de estressores do seu corpo e podem até mesmo ajudar a reciclar a glutationa, outro antioxidante essencial do organismo.

 

A luteína e a zeaxantina funcionam para proteger os olhos dos danos provocados pelos radicais livres da seguinte forma: seus olhos estão expostos ao oxigênio e à luz, que por sua vez promovem a produção de radicais livres prejudiciais. Essas substâncias anulam estes radicais livres, impedindo que eles danifiquem as células dos seus olhos. Essa é a conclusão de um estudo do Departamento de Oftalmologia da Universidade da Flórida (EUA).

luteina-e-zeaxantina-conheca-os-amigos-da-sua-saude-ocular2

Além disso, de acordo com estudos da Universidade de Connecticut (EUA), suas propriedades antioxidantes podem reduzir os efeitos do colesterol LDL “ruim”, diminuindo o acúmulo de placa nas artérias.  

 

Saiba mais:

– A luteína e a zeaxantina são os únicos carotenoides obtidos a partir de uma dieta que se acumulam na retina, particularmente na região da mácula, localizada na parte posterior do olho;

– De acordo com pesquisadores da Universidade de Sydney, Austrália, como são encontrados em quantidades concentradas na mácula, eles são conhecidos como pigmentos maculares.  

– A luteína e a zeaxantina também atuam como um bloqueador solar natural ao absorver o excesso de energia luminosa. Pesquisadores da Universidade de Nova Iorque (EUA), acreditam que elas protejam olhos principalmente do espectro azul da luz.

 

Veja como a luteína e a zeaxantina podem ajudar a combater doenças oculares

 

 

– Degeneração macular relacionada à idade (DMRI): Segundo pesquisadores da Universidade de Pequim, China, o consumo de luteína e zeaxantina pode proteger contra a progressão da DMRI à cegueira;

– Cataratas: as cataratas são causadas pela opacificação da lente natural do olho, o cristalino. De acordo com estudos da Universidade de Melbourne, Austrália, ingerir alimentos ricos em luteína e zeaxantina pode retardar sua formação;

– Retinopatia diabética: Nos estudos sobre o diabetes feitos em animais, a suplementação com luteína e zeaxantina demonstrou reduzir o estresse oxidativo que danifica os olhos;

 – Uveíte:  estudos revelaram que a luteína e a zeaxantina podem ajudar a reduzir o processo inflamatório envolvido nessa doença que atinge a úvea (camada média do olho).

 

Mas como obter a luteína e a zeaxantina?

luteina-e-zeaxantina-conheca-os-amigos-da-sua-saude-ocular

Esses carotenoides podem ser encontrados principalmente em vegetais de folhas verde escuras, assim como em outras frutas e vegetais mais coloridos. O repolho, agrião e espinafre são boas fontes de luteína, enquanto milho, gema de ovo e pimentão amarelo, de zeaxantina.

E em qual quantidade? 

 

Para obter os benefícios desses alimentos para a saúde ocular, seria preciso ingerir uma quantidade muito grande deles. Então uma solução viável é usar bons suplementos disponíveis no mercado.

 

Se você gostou desse conteúdo repasse-o para sua família e amigos, afinal compartilhar saúde é Vital!

 

 

Referências:
Juturu, V., Bowman, J., &Deshpande, J. (2016). Overall skintoneandskin-lightening-improvingeffectswith oral supplementationofluteinandzeaxanthinisomers: a double-blind, placebo-controlledclinicaltrial. Clinical, CosmeticandInvestigationalDermatology, Volume 9, 325–332.
Koushan, K., Rusovici, R., Li, W., Ferguson, L., & Chalam, K. (2013). The Role ofLutein in Eye-RelatedDisease. Nutrients, 5(5), 1823–1839.
Kim, J. E., Leite, J. O., deOgburn, R., Smyth, J. A., Clark, R. M., & Fernandez, M. L. (2011). A Lutein-Enriched Diet PreventsCholesterolAccumulationandDecreasesOxidized LDL andInflammatoryCytokines in the Aorta ofGuineaPigs. The JournalofNutrition, 141(8), 1458–1463.
Eisenhauer, B., Natoli, S., Liew, G., &Flood, V. (2017). LuteinandZeaxanthin—Food Sources, BioavailabilityandDietaryVariety in Age‐Related Macular DegenerationProtection. Nutrients, 9(2), 120.
Roberts, J. E., &Dennison, J. (2015). The PhotobiologyofLuteinandZeaxanthin in theEye. JournalofOphthalmology, 2015, 1–8.
Ma, L., Dou, H.-L., Wu, Y.-Q., Huang, Y.-M., Huang, Y.-B., Xu, X.-R., … Lin, X.-M. (2011). Luteinandzeaxanthinintakeandtheriskof age-related macular degeneration: a systematic review and meta-analysis. British JournalofNutrition, 107(03), 350–359.
Vu, H. T. V., Robman, L., Hodge, A., McCarty, C. A., & Taylor, H. R. (2006). LuteinandZeaxanthinandthe Risk ofCataract: The Melbourne Visual Impairment Project. InvestigativeOpthalmology& Visual Science, 47(9), 3783.
Muriach, M., Bosch-Morell, F., Alexander, G., Blomhoff, R., Barcia, J., Arnal, E., … Miranda, M. (2006). Luteineffecton retina andhippocampusofdiabeticmice. Free Radical Biologyand Medicine, 41(6), 979–984.
Yang, S.-F., Roberts, J. E., Liu, Q., Pang, J., & Sarna, T. (2016). ZeaxanthinandLutein in the Management ofEyeDiseases. JournalofOphthalmology, 2016, 1–2.

 

3 comentários em “Zeaxantina e luteína: conheça os amigos da sua saúde ocular”

    • Cuidar bem do corpo com exercicios diarios, é um dos meios de preservar a boa manutenção da saude como um todo.
      Ingerir bons suplementos ajuda, mas temos que estarmos imunes ao stress, poluição e evitar consumir produtos com
      conservantes, manter-se longe destes é por demais indispensável. Os cuidados com a higiene diária se faz necessários
      como hábitos diários. Ter bastante zelo com os objetos, lavando-os constantemente, os tubos de vitaminas e de colírios
      so devem ser utilizados apos a higienização das mãos.

Deixe um comentário

Deixe aqui seu e-mail pra receber conteúdos incríveis sobre qualidade de vida.

Share on facebook
Share on twitter

VEJA TAMBÉM

Conheça 11 principais benefícios das sementes de abóbora

As sementes de abóbora podem ser pequenas, mas estão cheias de nutrientes valiosos.

Comer apenas uma pequena quantidade delas pode fornecer uma quantidade substancial de gorduras saudáveis, magnésio e zinco.

Por causa disso, as sementes de abóbora têm sido associadas a vários benefícios para a saúde.

Seis benefícios das sementes de chia durante a gravidez

Durante a gravidez uma das principais preocupações das futuras mamães é em relação à alimentação. Será que posso comer isso? E aquilo? Já falamos sobre alimentação saudável para grávidas em um post anterior, mas hoje você vai saber mais sobre a chia, um superalimento que pode ajudar as gestantes de várias maneiras.

Conheça os benefícios da semente de Chia para as grávidas

A Dieta do Cérebro

Estudos comprovam que o destino do seu corpo e cérebro nem sempre está associado só aos seus genes e também ao ambiente, costumes, crenças, comportamentos, hábito e alimentos. Desordens cerebrais como cefaleia crônica, perda da memória, insônia, variações do humor como depressão, ansiedade, epilepsia, transtorno motores, déficit de atenção, hiperatividade, e doenças degenerativas como Alzheimer, Parkinson podem ser influenciadas pela dieta.