Ômega 3: conheça os benefícios no tratamento do Autismo

O Transtorno do Espectro Autista (TEA), mais conhecido como autismo, é um termo que caracteriza uma condição neurodesenvolvimental que atinge o funcionamento do cérebro, podendo causar desordens comportamentais normalmente apresentadas nos primeiros anos de vida da pessoa. (1)
Share on facebook
Share on twitter

O Transtorno do Espectro Autista (TEA), mais conhecido como autismo, é um termo que caracteriza uma condição neurodesenvolvimental que atinge o funcionamento do cérebro, podendo causar desordens comportamentais normalmente apresentadas nos primeiros anos de vida da pessoa. (1)

Durante muitos anos, o autismo foi considerado raro, ocorrendo 1 a cada 10.000 crianças, porém, atualmente, a OMS (Organização Mundial de Saúde) calcula que ele afeta 1 em cada 160 crianças em todo o mundo. (1)

Na publicação de hoje, explicaremos como o DHA (principal composto do ômega 3) pode beneficiar o tratamento de pessoas com autismo. Vamos lá?

Mais informações sobre o Autismo

Por afetar o neurodesenvolvimento, o TEA pode causar graves comprometimentos na socialização, comunicação e comportamentos de quem sofre com esse transtorno.

A denominação “autista” foi utilizado pela primeira vez pelo psiquiatra suíço EugenBleulerem 1908 para descrever uma doença caracterizada pelo isolamento social de seus pacientes. (2)

Apesar de desconhecida, acredita-se que a causa seja multifatorial e influenciada por fatores genéticos e ambientais, com alterações imunes e deficiência de conexão sináptica no início da vida. (2,3)

De acordo com dados dos Centros de Controle de Doenças, o autismo afeta 1 em cada 58 indivíduos com menos de 21 anos que vivem nos EUA, ou seja, um aumento de 15% se comparado à taxa anterior, que era de 1 em 68. Além disso, estudos mostram que o autismo ocorre 4x mais em meninos do que em meninas. (3)

Lesões ou alterações que possam ocorrer no pré e pós-natal, privação ou problema nutricional, disfunção mitocondrial, estresse oxidativo, doenças gastrointestinais e disfunção imunológica, de acordo com evidências científicas, podem ter participação no desenvolvimento de Transtorno do Expectro Autista (TEA). (2)

Ainda associando o transtorno à nutrição, estudos relatam que o microbioma intestinal tem desempenhado um importante papel em atividades relacionadas ao intestino e ao sistema nervoso. Sendo assim, o intestino provavelmente está envolvido no desenvolvimento de diversas desordens do sistema nervoso central, o que inclui o TEA. (3)

Fatores como ambiente, medicamentos, prática de exercícios, tipo de parto, comportamentos cognitivos e sociais, estresse, medo e ingestão de alimentos, demonstraram efeito modulador no cérebro e na microbiota. (3)

omega-3-conheca-os-beneficios-no-tratamento-do-autismo

Nutrição e ômega 3 no tratamento do Autismo

Como adiantamos, pessoas com TEA podem apresentar problemas de saúde gastrointestinal. Isso inclui problemas de motilidade intestinal, autoimunes e/ou outras respostas a certos alimentos e falta de absorção de nutrientes. (3)

A literatura científica já identificou três aspectos mais frequentes no dia a dia alimentar da criança com TEA: seletividade, recusa e indisciplina alimentar. A ingestão calórica deficiente e repetitiva é motivo de preocupação, já que a ingestão de micronutrientes está relacionada com a ingestão de energia. (2)

Acredita-se que o aumento da incidência do autismo se deve, em partes, ao diagnóstico mais preciso do transtorno e, provavelmente, a alteração do tipo de dieta em que há um aumento do consumo de alimentos processados, industrializados e ácidos graxos saturados, além do aumento na proporção da relação entre ômega 6 e ômega 3. (2)

Por isso, a intervenção nutricional é um dos tratamentos que auxiliam na melhora dos sintomas comportamentais no TEA. Normalmente, as deficiências nutricionais mais comuns nesses transtornos são de ômega-3, vitaminas do complexo B, minerais e aminoácidos, que são essenciais na formação de neurotransmissores e responsáveis pelo equilíbrio no sistema nervoso central. Pesquisas científicas indicam que a ingestão adequada de ômega 3 está relacionada com a melhora da qualidade de vida desses indivíduos. (1,3)

O DHA (ácido decosahexaenoico) e o EPA (ácido eicosapentaenoico) são os principais compostos do ômega 3. O DHA, se incorporado às membranas celulares dos neurônios, pode auxiliar na ligação de neurotransmissores aos seus receptores, o que pode resultar na diminuição da inflamação e inibição de citocinas pró-inflamatórias. Já o EPA pode aumentar o suprimento de oxigênio e glicose para o cérebro, protegendo-o contra o estresse oxidativo. (1)

A ingestão do ômega 3 relacionado com o TEA pode trazer resultados positivos no comportamento e na saúde geral desses indivíduos, pois esse nutriente é fundamental para:(1)

–  a maturação da rede cerebral;

– manter a transmissão dos impulsos nervosos nas membranas células, melhorando respostas neurológicas;

– atuar como mediador inflamatório;

– melhorar a estabilização do humor;

– reduzir inflamações;

– auxiliar na sobrevivência neuronal.

omega-3-conheca-os-beneficios-no-tratamento-do-autismo

O que os estudos sobre a interferência da suplementação de ômega 3 em crianças com autismo mostraram:(1)

– Bent et al (2014 apud AZEVEDO; DIAS, 2019, p. 17):

Um ensaio piloto randomizado controlado com 57 crianças autistas mostrou que crianças suplementadas com ômega 3 tiveram maior média de melhora da hiperatividade em comparação com o grupo tratado com placebo.

– Parellada et al (2017 apud AZEVEDO; DIAS, 2019, p. 17):

Um ensaio clínico randomizado, cruzado, controlado por placebo em 68 crianças e adolescentes mostrou que o tratamento com ômega 3 (962 mg/dia para crianças e 1.155 mg/dia para adolescentes) melhorou a relação ômega 3 e 6 nas membranas dos eritrócitos e melhorou significativamente as pontuações das subescalas de motivação social e comunicação social.

– Sheppard et al (2018 apud AZEVEDO; DIAS, 2019, p. 17):

Estudo clínico randomizado com 27 crianças, suplementadas com 338 mg de EPA, 225 mg de DHA e 280 mg de ômega-6,mostrou que crianças suplementadas com ômega 3 e 6 por 3 meses aumentaram significativamente o uso de gestos e palavras a mais do que as crianças que receberam o suplemento de óleo placebo.

– Adams et al (2018 apud AZEVEDO; DIAS, 2019, p. 17):

Estudo randomizado controlado com 67 crianças autistas, sendo 37 delas suplementadas com 609 mg de ômega-3 (sendo 425 mg de EPA e 110 mg de DHA), 198 mg de ômega 6 e 15 mg de ômega 9, observou no grupo suplementado melhorias significativamente maiores do que no grupo tratado com placebo nos sintomas relacionados ao autismo, na hiperatividade e linguagem receptiva.

Para saber a quantidade necessária da ingestão de ômega 3 e quando é necessário incluir a suplementação, é essencial o acompanhamento de profissionais especializados nesta área.

Se a suplementação for indicada, nossa dica para que você escolha um bom produto é:

– avaliar se tem altas concentrações de ômega 3;

– se é livre de metais tóxicos;

– se possui garantia de pureza;

– se contém vitamina E na sua composição (ela é antioxidante e ajuda a manter a qualidade do óleo).

Além disso, dê preferência para produtos feitos pelo método de prensagem a frio.

Se quiser entender mais sobre esse tipo de extração dos óleos, confira esse texto: https://vitalblog-dev.actionlabs.com.br/como-escolher-um-oleo-de-qualidade-a-diferenca-pode-estar-na-prensagem-a-frio/

FONTES:
  1. AZEVEDO, Estela de Oliveira; DIAS, Daniela de A. Medeiros. Efeito do ômega-3 no perfil cognitivo de crianças diagnosticadas com transtorno do espectro autista: uma revisão da literatura. Rev. Bra. Nutr. Func. V. 45, 2019.
  1. BALBONI, Maria Clara Hutsch. Impacto da suplementação de ácidos graxos ômega-3 nos transtornos do espectro autista. São Paulo, 2016. Disponível em <https://repositorio.usp.br/bitstreams/42576c85-e830-4390-9a12-3436379f44e9>. Acesso em 08 set. 2020.
  1. GOMES, Ticiane A. Da Silveira. Modulação nutricional no transtorno do espectro autista – um estudo de caso. Rev. Bra. Nutr. Func. V. 46, 2020.

Deixe um comentário

Deixe aqui seu e-mail pra receber conteúdos incríveis sobre qualidade de vida.

Share on facebook
Share on twitter

VEJA TAMBÉM

Será que eu preciso de uma dose mais elevada de ômega 3?

Você já sabe que o ômega 3 traz vários benefícios à sua saúde, não é mesmo?

Mas será que você está precisando de uma dose mais elevada desse nutriente? Alguns quadros como pele muito seca, declínio das funções cerebrais, depressão e até risco de parto prematuro estão relacionadas à deficiência de ômega 3.