Saiba o que é DHA e seus benefícios para a saúde

Share on facebook
Share on twitter
DHA

Se você já está familiarizado com os benefícios do ômega 3, chegou a hora de conhecer um pouco mais sobre uma das substâncias que o compõe: o DHA! Também conhecido como ácido docohexaenoico, pode se tornar essencial na formação da retina dos olhos, além de possuir ação antioxidante e, principalmente, contribuir para a saúde cerebral. (1,2)

Neste texto, você descobrirá um pouco mais sobre os benefícios do DHA e como ele contribui para a manutenção de uma boa saúde. 

O que é DHA?

O DHA é o ácido graxo ômega 3 mais abundante nas membranas celulares. Juntamente com o EPA (ácido eicosapentaenólico), são considerados os componentes mais importantes do ômega 3. O DHA está presente em todos os órgãos, sobretudo, no córtex cerebral e retina nos olhos. (1,2)

A estrutura do ácido docohexaenoico é mais extensa que a do EPA, logo, ocupa mais espaço nas membranas celulares, exercendo um papel fundamental na manutenção da fluidez dessas membranas. Isso é importante para que haja o funcionamento normal das proteínas, canais e receptores inseridos na membrana. É sempre importante manter o equilíbrio entre os níveis DHA e EPA, pois, quando em excesso, o DHA pode ser tão ruim quanto em escassez, podendo afetar o bem-estar diário e as funções celulares. (2) 

DHA e o cérebro

Estudos apontam que o DHA está relacionado a vários processos neuronais, entre eles: funcionamento da memória, atenção, raciocínio e imaginação. Além de ser antioxidante, ele favorece a cognição e as conexões entre neurônios. O fígado é considerado o principal local de sintetização do DHA. Essa gordura boa e altamente insaturada é transportada até o cérebro por meio da circulação sanguínea e é rapidamente internalizada pelos neurônios e incorporada nos fosfolipídios. (1,2)

Para entender um pouco melhor, saiba que o cérebro é um órgão rico em fosfolipídios, compondo cerca de 25% do seu peso seco. Por isso, o DHA é essencial para o seu desenvolvimento e plasticidade. Pesquisas apontam que é provável que o EPA e DHA produzam, no sistema nervoso central, substâncias menos inflamatórias e agregantes plaquetários, que podem conservar ou aumentar o desempenho cerebral.(3)

O DHA ajuda a construir e estruturar uma capa de gordura que ajuda a formar as sinapses (comunicação entre os impulsos nervosos do cérebro), conhecida por bainhas de mielina. Quanto mais sinapses, melhor o funcionamento cerebral. (4)

Afirma-se ainda que a deficiência de DHA está associada com disfunções na integridade da membrana neuronal, na neuroplasticidade e na transmissão da serotonina, norepinefrina e dopamina. Ou seja, a falta de DHA pode estar relacionada aos distúrbios de humor e com manifestações cognitivas da depressão. (5) Saúde do cérebro também é saúde mental!

Como acabamos de ver, o DHA é importante para o bom funcionamento cerebral, sendo assim, entendemos que o tratamento de doenças degenerativas também deve ser abordado aqui. A seguir, entenda a relação do DHA em alguns desses cenários. 

Imagem Ilustrativa

Doença de Alzheimer

A doença de Alzheimer é uma síndrome caracterizada pela perda de memória, o que leva ao comprometimento das relações sociais ou profissionais de um indivíduo. O surgimento é mais comum em pessoas de idade avançada. Foi identificado que pacientes com Alzheimer apresentam baixas concentrações de DHA, estimulando a manifestação de lesões cerebrais. (3)

O baixo nível de DHA ocorre por conta do estresse oxidativo, causado por radicais livres e aumento da produção do peptídeo amiloide, provocando o rompimento neuronal e morte celular. (3)

A suplementação pode se tornar uma boa aliada, visto que o consumo de DHA bloqueia a produção do peptídeo amiloide, inibe a toxidade e o estresse oxidativo. Dessa forma, acontece uma melhora do raciocínio e a aprendizagem de pacientes portadores de Doença de Alzheimer. (3) 

Doença de Parkinson

A doença de Parkinson é caracterizada por uma diminuição na função motora e, em alguns casos, há também a redução das funções cognitivas e demência. Ela é resultante da perda de células que produzem a dopamina no cérebro, que pode ser agravada pelo estresse oxidativo, inflamação ou disfunção mitocondrial. (6)

Em doenças degenerativas, como o Parkinson, os níveis de ômega 3 diminuem  nas membranas das células nervosas. Por isso, a suplementação do DHA poderia ter papel fundamental para pessoas com essa doença, podendo modificar positivamente as funções cerebrais. (6)

Um estudo no Japão concluiu que a suplementação com o ômega 3 dificulta a morte de células que podem acontecer como consequência de estímulos inflamatórios no cérebro. Já um estudo realizado com primatas, realizado no Canadá, mostrou que a suplementação de DHA antes do início do tratamento com L-DOPA (medicação muito eficaz utilizada no tratamento do Parkinson) diminuiu episódios de movimentos musculares involuntários sem prejudicar os benefícios do medicamento. (6)

DHA e desenvolvimento infantil

Achou que as crianças ficariam de fora na obtenção dos benefícios do DHA? A Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda que o uso de DHA seja valorizado desde o período gestacional, pois a gordura atua na formação cerebral do feto. Já citamos que o consumo de DHA pode auxiliar no aprendizado e memória, sobretudo, para os pequenos. Estudos avaliaram que a ingestão recomendada do componente pode garantir 7 pontos de QI a mais para uma criança. Além disso, o consumo de DHA pode:(4)

  • Melhorar as habilidades para leitura e concentração, influenciando no bom aprendizado;
  • Reduzir as chances de ter um bebê prematuro ou com baixo peso;
  • Contribuir para o fortalecimento e formação da retina do bebê, evitando futuros problemas oculares;
  • Minimizar inflamações crônicas relacionadas aos problemas ósseos e até cardiovasculares. 

DHA e os olhos

O desenvolvimento do cérebro e da retina acontece desde a gestação e vai, até, aproximadamente, os dois anos de idade. A fosfatidiletanolamina, um tipo de fosfolipídio que está presente nas membranas do cérebro e da retina, contém grande quantidade de DHA. Quando a ingestão de ômega 3 é restrita durante a gestação e a lactação, ocorre a diminuição do DHA nas membranas do cérebro e da retina, podendo resultar em alterações funcionais irreversíveis. (7) 

Imagem Ilustrativa

Onde encontrar DHA?

Sendo uma gordura boa da cadeia ômega 3, o DHA pode ser encontrado em peixes como atum, bacalhau, salmão, sardinha e truta e em frutos do mar oleosos, além de pequenas quantidades nas algas. (2,4) E, claro, também por meio da suplementação!

Se você chegou até aqui na leitura, já sabe o que é o DHA e quais benefícios ele oferece a nossa saúde, principalmente, quando falamos do bom funcionamento dos neurônios. Vale a pena introduzi-lo na dieta a partir da orientação com um profissional qualificado.

Agora, aproveite para conferir o nosso e-book especial sobre a EPA e o DHA para descobrir muito mais sobre esses ácidos graxos tipo ômega 3. Existem diversas substâncias boas por aí que podem te ajudar a potencializar o organismo, e nós sempre traremos esses nutrientes em pauta.

Fontes: 
  1. APPOLINÁRIO, Patricia Postilione. Avaliação do efeito do ácido docosahexaenoico e seus hidroperóxidos na oligomerização de SOD1 em um modelo da doença Esclerose Lateral Amiotrófica. 2013. 137 f. Tese (Doutorado em Ciências) – Instituto de Quiímica, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2013. Disponível em: <https://teses.usp.br/teses/disponiveis/46/46131/tde-06082013-082744/publico/TeseCorrigidaPatriciaPostilioneAppolinario.pdf>. Acesso em 08 jul. 2021. 
  2. Carreiro, Denise. Abordagem nutricional na prevenção e tratamento do autismo, Denise Carreiro, São Paulo, 2018.
  3. SILVA, Ferreira Adriana da. Ômega 3: principais benefícios à saúde humana. 2015. 33 f. Monografia ( Graduação em Farmácia) – Faculdade de Educação e Meio Ambiente, Ariquemes, 2015. Disponível em: <http://repositorio.faema.edu.br/bitstream/123456789/398/1/SILVA%2c%20A.%20F.%20-%20%c3%94MEGA%203..%20PRINCIPAIS%20BENEF%c3%8dCIOS%20%c3%80%20SA%c3%9aDE%20HUMANA.pdf>. Acesso em 08 jul. 2021.
  4. BASILIO, Andressa. 5 benefícios do DHA para a saúde e inteligência do seu filho. Crescer, 2013. Disponível em: <https://revistacrescer.globo.com/Bebes/Saude/noticia/2013/11/5-beneficios-do-dha-para-saude-e-inteligencia-do-seu-filho.html>. Acesso em 08 jul. 2021.
  5. CORTES, Matheus Lopes et al. Uso de terapêutica com ácidos graxos ômega-3 em pacientes com dor crônica e sintomas ansiosos e depressivos. Rev. Dor, v. 14, n. 1, 2013. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/rdor/a/mdrG5xM86XJqwvLDXycC5Jn/?lang=pt>. Acesso em 08 jul. 2021.
  6. MEIRA, Paulo. Doença de Parkinson. Paulo Meira Endocrinologia e Metabologia, 2020. Disponível em: <http://www.paulomeira.com.br/2020/01/22/doenca-de-parkinson/>. Acesso em 15 jul. 2021.
  7. LIMA, Mario Ferreira et al. Ácido graxo ômega 3 docisahexaenóico (DHA: C22:6 n-3) e desenvolvimento neonatal: aspectos relacionados a sua essencialidade e suplementação. Nutrire: Rev. Soc. Bras. Alim. Nutr., v. 28, p. 65-77, 2004. Disponível em: <http://files.professorafernandatome.webnode.com/200000097-dbf33dcece/artigo_omega3_neonatal.pdf>. Acesso em 08 jul. 2021.

Deixe um comentário

Deixe aqui seu e-mail pra receber conteúdos incríveis sobre qualidade de vida.

CATEGORIAS
Share on facebook
Share on twitter

VEJA TAMBÉM

Conheça os melhores alimentos para o desenvolvimento das crianças

Quem não dá um sorriso ao ver um grupo de crianças correndo e brincando em um parque? Elas esbanjam alegria e saúde e deixam os pais felizes e orgulhosos.

Mas para que elas continuem assim, é preciso dar uma atenção especial à alimentação dos pequenos, que é sua fonte de energia e saúde.

Então o que as crianças devem comer?

Aproveite os benefícios de ficar ao ar livre mesmo em dias frios

Você é daquelas pessoas que quanto mais o tempo esfria, mais quer ficar em casa? A maioria é assim: prefere ficar no aconchego do lar quentinho, tomando sopas, chocolate quente e vendo filme. Não tem nada de mal nisso, mas vamos te fazer uma proposta: mesmo em dias frios, que tal sair mais de casa?

Estresse oxidativo: o que é e como ele pode afetar a sua saúde

Todos já sentiram ou conhecem os efeitos do estresse no corpo humano, desde cansaço, desequilíbrio emocional, ansiedade, agitação, dores de cabeça, dentre outros. As células presentes em nosso corpo também podem passar por este problema, mas neste caso usamos o termo “estresse oxidativo”, que é quando o corpo possui excesso de radicais livres em comparação à sua capacidade de neutralizar ou desintoxicar seus efeitos nocivos através da ação dos antioxidantes.