Atividade física

Atividade física e sistema imunológico: entenda essa relação

Nossa saúde depende muito do sistema imunológico e isso ganhou ainda mais evidência durante a pandemia que estamos vivendo. Mas o que exatamente a atividade física tem a ver com o sistema imunológico? É sobre isso que falaremos no texto de hoje. Saúde, bem-estar e qualidade de vida nunca estiveram tão em alta como neste momento. O ato de se cuidar passou a ser um estilo de vida que tem sido adotado por grande parte da população. Investir na saúde, praticar esportes e cuidar da mente tem sido a maior “moda” da sociedade atual. Embora seja comprovada a ligação direta entre a atividade física e a imunidade, é importante ressaltar que exercícios físicos não nos impedem de sermos infectados por alguma doença. A ajuda vem por meio de um reforço no sistema imunológico, que melhora a resposta do corpo tornando-o mais forte para combater esse tipo de perigo. (1) Como funciona o mecanismo de defesa do organismo? Nosso sistema imunológico é o grande defensor do nosso organismo. Ele é composto por células, tecidos, órgãos e moléculas. Esse sistema garante o reconhecimento de células e substâncias estranhas e age na destruição ou neutralização dos invasores, graças às respostas que recebe dos seus componentes. Essa resposta é fundamental para garantir que o corpo desenvolva ou não uma doença ou até mesmo a duração que ela terá. O sistema imune consegue diferenciar as células do próprio corpo das que são consideradas “invasoras” e garante a defesa do nosso organismo.(2) E como as atividades físicas podem contribuir com o

LER MAIS
Antioxidantes

Antioxidantes: 5 motivos para consumir

Existem substâncias que são consideradas super-heroínas para o nosso organismo, com verdadeiros superpoderes. É o caso dos agentes antioxidantes! Por serem tão benéficos a saúde, já falamos sobre eles algumas vezes aqui no blog, mas, por se tratar de algo tão essencial ao nosso corpo, o assunto é sempre bem-vindo novamente. Além de reforçar o que são os antioxidantes e os seus principais benefícios, nesse texto vamos apresentar motivos comprovados para que eles não fiquem fora das nossas vidas. Antioxidantes: quem são vocês? Os agentes antioxidantes são vitaminas, minerais e outras substâncias químicas que protegem as células de elementos prejudiciais produzidos durante seu próprio metabolismo. Esses agentes são as principais substâncias que combatem os radicais livres, causadores de males como doenças degenerativas, cardíacas, derrames, alguns tipos de câncer e doenças relacionadas ao envelhecimento.(1) São considerados tipos de antioxidantes: vitaminas A, C e E, selênio, compostos fenólicos e carotenoides. (1) Eles são classificados em dois grupos: os enzimáticos e não enzimáticos. Os enzimáticos são os antioxidantes sintetizados pelo nosso próprio organismo. Os não enzimáticos são essencialmente ingeridos através de diversas fontes alimentares, especialmente frutas, legumes e vegetais. (2) Agora vamos direto ao ponto! Conheça cinco motivos que listamos para inserir os antioxidantes no seu dia a dia e ter uma vida mais saudável e feliz. 1 – Combate ao envelhecimento precoce A tão sonhada poção da juventude eterna ainda não foi descoberta, mas já sabemos que existem substâncias superpoderosas que dão uma grande ajuda para a vitalidade do nosso organismo. Os agentes antioxidantes são um belo

LER MAIS
Autocuidado

5 atitudes para se cuidar mais desde já!

Quantas vezes você já colocou o outro em primeiro lugar e perdeu o protagonismo da própria vida se deixando sempre para depois? Poderia listar diversos momentos em que isso aconteceu, não é mesmo? A gente entende, pois acontece com muitas pessoas e com grande frequência, colocando como prioridade, principalmente, aqueles que amam: filhos, amigos, marido, mulher, pai, mãe, irmãos… A lista de pessoas importantes para nós costuma ser um tanto quanto extensa, mas e nós? Na escala de importância da nossa vida, em que lugar estamos? É preciso cuidar de si para cuidar do outro, e, quando nos cuidamos, inspiramos os outros a se cuidarem também. Vamos falar mais sobre isso? Cuidar de si é se enxergar com uma lente de afeto e acolhimento, tendo consciência de quem é, como quer levar a vida e tudo aquilo que deseja viver. Não faz sentido almejar uma vida longa e com qualidade sem colocar como prioridade o autocuidado: um conjunto de diversas atitudes que visam o nosso bem-estar. Para se cuidar, é preciso se ouvir, estar atento às próprias necessidades e buscar desenvolver hábitos que nos fazem bem. Na correria do dia a dia, tampamos o ouvido para a nossa escuta interna, colocando no volume máximo todas as cobranças e responsabilidades externas. O trabalho, os estudos, os outros… esses parecem ter um autofalante sobre nós, não é mesmo? É claro que todos esses fatores são essenciais na nossa história, mas não a todo e qualquer custo, não quando isso nos custa a nossa saúde e a nossa

LER MAIS
ômega 3 e gestação

Ômega 3: qual a importância para gestantes?

Os cuidados com a saúde devem estar presentes em todas as fases da vida, mas algumas, em especial, requerem mais atenção, como a gestação. O ômega 3 é um nutriente que pode ser aliado das mamães nessas fases que passam a ser cruciais em sua vida: gravidez, amamentação e a própria saúde do recém-nascido. Mulheres gestantes precisam cuidar de si e dos pequenos que estão a caminho. Estes pequeninos seres chegam ao mundo tão indefesos que precisam dos cuidados da mãe desde o ventre para que tenham um nascimento seguro e um desenvolvimento saudável. Ao longo da gravidez, a mulher possui diferentes necessidades nutricionais. O pré-natal é fundamental nesta fase, pois o acompanhamento mensal garante que todos os cuidados serão tomados. Além de explicarmos sobre os benefícios do ômega 3, vamos mostrar qual o melhor tipo de ômega 3 para o consumo durante o período de gestação. Ômega 3 Famoso no mundo e citado diversas vezes aqui no blog, já que suas funções são tão benéficas a saúde, o ômega 3 são ácidos graxos essenciais que não são fabricados pelo nosso organismo. Por ser fundamental à nossa saúde, precisamos garantir a ingestão dele através de alimentos e suplementos no dia a dia.(1)   Entre os benefícios mais conhecidos e relevantes, podemos citar: fortalecimento da memória, concentração e funções cognitivas, melhora no quadro de doenças cardiovasculares e obesidade.(2) Todos esses benefícios já foram amplamente estudados por médicos e cientistas. O que está na mira dos pesquisadores mais recentemente é como esse nutriente pode auxiliar a mulher

LER MAIS
Sistema digestório e imunidade

Sistema digestório e imunidade: qual a relação?

Estamos acostumados a pensar que o trato gastrointestinal serve apenas para digestão e absorção dos alimentos, mas na realidade, ele também tem ligação com o bom funcionamento do sistema imunológico, sabia? Nesse texto, vamos abordar como o intestino faz para ser um ótimo aliado para a imunidade, doenças que podem aparecer quando o intestino não está regulado e também vamos deixar algumas curiosidades interessantes sobre esse órgão tão importante. Intestino x sistema imunológico: qual é a relação? Como citamos acima, temos um pensamento errado a respeito do nosso intestino. Além de ter como função absorver alimentos, é no intestino que está alojada a maior coleção de células imunes do corpo. Essas células estão em plena atividade e ficam localizadas exatamente na mucosa do intestino. (1) Para entendermos melhor essa relação do intestino com o sistema imune, precisamos falar sobre a microbiota intestinal. Contendo mais de 100 trilhões de bactérias comensais de 1200 espécies diferentes, elas são super importantes para a saúde humana. Além de facilitar o metabolismo dos nutrientes e a resistência ao aparecimento de patologias, elas também promovem a integridade das células epiteliais, além de auxiliarem no desenvolvimento do sistema imunológico. (1,2) Essa relação entre a microbiota intestinal e o sistema imune é tão essencial que acaba dando uma resposta imune a doenças em órgãos além do intestino, como o trato urinário e o pulmão, por exemplo. Por isso, quando há alguma perturbação na diversidade, quantidade e estrutura das comunidades comensais intestinais, há chances do surgimento de doenças infecciosas e imunomediadas. (2) É importante

LER MAIS
Maca Peruana

Maca peruana: benefícios na fertilidade e libido.

Cada vez mais existem estudos que se aprofundam na avaliação da utilização de plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos para a recuperação da saúde e que comprovam os benefícios de produtos naturais. É o caso da maca peruana, um tubérculo que se destaca por proporcionar o aumento de vitalidade, libido, fertilidade e performance sexual. Existem relatos desde a pré-história que demonstram que o homem já utilizava recursos provenientes da natureza para suprir suas necessidades fisiológicas. Conseguiam distinguir, por exemplo, plantas comestíveis daquelas que traziam benefícios de cura. Esse conhecimento foi se difundindo entre etnias, gerando tradições culturais, novas descobertas e, também, a base para tantos estudos. (1)           No texto a seguir, falaremos mais sobre a maca peruana, uma raiz poderosa que se assemelha ao formato de um rabanete, e como inseri-la no nosso dia a dia. Sobre a Maca Peruana A maca peruana (Lepidium Meyenii) é nativa na Região dos Andes, no Peru, sendo cultivada a mais de 4 mil metros acima do nível do mar. Segundo historiadores, ela é conhecida desde o ano 8.000 a.C., mas passou a ser consumida pelos nativos a partir do século 17. (2)   A raiz, também conhecida como Ginseng Peruano, carrega uma gama de nutrientes essenciais como: aminoácidos, carboidratos, fibras, cálcio, ferro, magnésio, ômegas 3 e 9, fósforo, potássio, zinco, selênio e vitaminas B1, B2, C e E. (3) Cultivada e exportada principalmente pelo Peru, ela é encontrada em 13 diferentes cores. No entanto, o mercado brasileiro a recebe na cor vermelha, amarela e preta. (4) Maca Peruana

LER MAIS
Saude infantil

5 benefícios do ômega-3 para crianças

Você com certeza já ouviu falar sobre os inúmeros benefícios do ômega 3. Mas você sabe quais são as vantagens que esse ômega pode oferecer à saúde das crianças? Este nutriente ajuda em importantes fases da jornada de crescimento e conta muito para a qualidade de vida quando a criança se transformar em adulto. Por isso, separamos 5 benefícios do ômega 3 para a saúde infantil para você conhecer: 1) Ômega-3 e sistema nervoso da criança O ômega 3 tem um papel fundamental no desenvolvimento e funcionamento ideal do sistema nervoso central.(1) Desde a formação uterina, o recebimento das doses adequadas de ômega 3 apresenta bons resultados para o sistema nervoso central, mostrando melhorias em diferentes parâmetros da função cognitiva.(2) 2) Ômega 3 e autismo O Transtorno do Espectro Autista é caracterizado por uma condição neurodesenvolvimental que atinge o funcionamento do cérebro, podendo causar desordens de comportamento. A Organização Mundial da Saúde estima que o autismo afete uma em cada 160 crianças mundialmente. As mudanças causadas pelo autismo impactam na realização de atividades, no comportamento social e na memória. (1) O nutricionista é um dos profissionais que integram uma equipe multidisciplinar no tratamento da melhora dos sintomas comportamentais do autismo e pesquisas científicas indicam que a ingestão adequada do ômega 3 pode melhorar a qualidade de vida dessas pessoas. Isso porque essa classe de lipídeos é essencial no desenvolvimento e funcionamento do sistema nervoso central, como já falamos. O DHA (ácido docosahexaenoico) auxilia na ligação dos neurotransmissores aos receptores, diminuindo quadros de inflamação, inibindo citocinas

LER MAIS
Saúde Mental

Como cuidar da saúde mental? Veja 5 dicas.

A saúde mental é um dos muitos fatores que precisam estar em equilíbrio para mantermos um estilo de vida saudável. Acabamos sempre falando muito sobre a saúde física para nutrir o corpo para que possamos ter uma vida mais longa e de qualidade, mas acabamos esquecendo de nossa mente. Sabemos que a rotina costuma tirar um pouco da importância de cuidarmos de nós mesmos, dando lugar à execução de várias tarefas que o mundo nos exige. Trabalho, estudo, filhos, casa, boletos…ufa! É, realmente, muita pressão sob nós. E onde a gente fica nessa agenda tão lotada? Vamos ficando de lado, paramos de prestar atenção às nossas emoções, deixamos de fazer aquilo que gostamos e, quando reparamos, viver assim já levou meses e anos. Será que é possível cumprir todas as tarefas e, ainda assim, dar à nossa saúde mental o lugar que é dela por direito? Um lugar importante que nos faz ver mais sentido nas coisas, que nos transforma em seres humanos mais gratos e, quem sabe, até mais felizes somente pelo fato de estarmos bem mentalmente. A busca pela felicidade parece ser uma jornada sem fim e exaustiva. E ela é. Não tem linha de chegada, sabe por quê?  Porque enquanto ficamos com a cabeça “lá”, deixamos de viver a única coisa que é possível: o agora. É preciso buscar ficar bem agora, onde você está, da maneira em que se encontra, porque o amanhã pode não chegar. E quando falamos isso, não é com um sentido negativo sobre a finitude da vida

LER MAIS
DHA

DHA: 4 benefícios desse ômega 3 que você precisa conhecer

A sigla DHA não é estranha, né? Talvez, agora, você não tenha ideia do que seja, mas, com certeza, após descobrir o que é, verá o quanto o DHA é essencial para a sua saúde. DHA significa ácido docosahexaenóico e ele faz parte dos três ácidos graxos poliinsaturados de cadeia longa (AGPICL). Além do DHA, também temos o EPA (ácido eicosapentaenoico) e o ALA (ácido alfa linolênico). Vamos entender melhor sobre eles?(1,2) Ômega-3: DHA, EPA e ALA Para entender o que é o DHA, precisamos entender o que é o ômega-3. O ômega-3 é uma gordura poliinsaturada (também chamada de ácido graxo poliinsaturado) que o corpo não consegue produzir sozinho e que é muito benéfica para a saúde do nosso organismo. Ele é dividido em três tipos: DHA, EPA e ALA. (3) É possível encontrar o DHA e o EPA em alimentos de origem animal, enquanto o ALA está presente em alimentos de origem vegetal, como a linhaça e chia.(4) Mais sobre o DHA Como dissemos anteriormente, o DHA pode ser encontrado em alimentos de origem animal, mas quais seriam esses alimentos? Peixes gordos, como a sardinha, a anchova, o atum e o salmão são ótimas fontes desse ácido graxo. Ele também é encontrado em microalgas que, além de serem ricas em DHA, são consideradas uma fonte ecológica desse ômega.(2) O DHA pode agir na retina e também é um ótimo aliado para o cérebro. Para você ter ideia, ele é tão importante que, quando o feto está dentro do útero da mulher, ele já

LER MAIS
desidratação

Tudo o que você precisa saber sobre desidratação

Apesar de grande parte da população já ter ouvido falar sobre a desidratação, muitas pessoas não sabem que ela oferece sérios riscos à nossa saúde. Nesse texto, vamos explicar quais podem ser esses riscos e como identificar os sintomas, além de dar dicas para que a desidratação não seja um problema por aí. O que é a desidratação? A desidratação é caracterizada pela baixa quantidade de água e também pela falta de líquidos orgânicos e sais minerais no organismo, próximo de impedir que o corpo consiga realizar suas funções normalmente. (2)Ela pode ser classificada em três níveis: leve, moderada e, o mais preocupante, grave. (1) A desidratação pode ser secundária, acontecendo em decorrência de outros problemas como diarreias agudas. Além disso, ela pode afetar todas as faixas etárias, mas, geralmente, se torna mais preocupante quando ocorre em crianças (em especial, recém-nascidos e lactantes) e idosos. (2) As causas de desidratação podem ser várias. Ela pode ocorrer quando a água é eliminada do nosso corpo por meio da transpiração, da respiração, da urina e fezes e até das lágrimas se não ingerirmos água adequadamente. (2) Em problemas como vômitos, febre e diarreia e dias de muito calor(em que suamos mais) também podem causar a desidratação se não ingerirmos líquido suficiente. (2) Quem tem diabetes também pode ter desidratação por conta do aumento do número de micções e até pelo excesso de medicamentos ou produtos diuréticos. (2) Tipos de desidratação Agora que sabemos o que é a desidratação, vamos entender quais são os tipos: – Isotônica: é

LER MAIS
Introdução Alimentar

Como fazer a introdução alimentar corretamente?

A introdução alimentar é um processo natural no desenvolvimento de todas as crianças e, se feita de uma maneira saudável, será de extrema importância para um crescimento com mais saúde e qualidade de vida. Mas você sabe quais alimentos devem ser oferecidos na introdução alimentar e como ela deve ser feita? Vamos descobrir! O que é introdução alimentar? A introdução alimentar nada mais é do que a fase onde os bebês começam a comer outros alimentos além do leite materno. Segundo a OMS, a introdução alimentar deve começar a partir dos seis meses de idade. (1) É importante destacar que, também de acordo com a OMS, bebês devem ser alimentados exclusivamente com leite materno até os 6 meses de idade. O aleitamento é essencial para que a criança desenvolva corretamente a maturação e o crescimento das estruturas do sistema estomatognático (como língua, lábios, bochechas etc) e estimular o desenvolvimento de funções fisiológicas, como a mastigação e a deglutição, além de ser um superalimento cheio de nutrientes essenciais para o bebê. (2) Quando o bebê completa seis meses, o recomendado é começar a inserir outros alimentos na dieta e, se possível, continuar com o aleitamento materno até os dois anos. (1) Caso a mãe não consiga amamentar por algum motivo, ela pode optar por fórmulas infantis – sempre lembrando que isso deve ser recomendado por um pediatra.(1) O processo da introdução alimentar precisa ser lento e gradual porque algumas crianças podem estranhar certos alimentos e acabar recusando – e isso é normal, pois é algo novo

LER MAIS
Solidariedade

Solidariedade em tempos de pandemia

Desde o início da pandemia, que dura muito mais do que imaginávamos ser possível, fomos colocados a muitas provas. Nossa resiliência e outros valores essenciais para um bom convívio como sociedade foram e estão sendo testados o tempo todo. Existe uma frase bem conhecida, aquela que “estamos todos no mesmo barco”, porém, discordamos dessa afirmação e concordamos com a reflexão de que podemos estar todos no mesmo oceano, mas que os barcos são bem diferentes e, muitos indivíduos, nem barcos possuem. Usamos essa analogia para ilustrar um pouco sobre como existem realidades diferentes e o quanto a pandemia escancarou a necessidade de olharmos para fora, enxergarmos as diferenças e, mais que isso, sermos convidados a praticar nossa solidariedade para amenizar os impactos causados pelo coronavírus na sociedade. Acreditamos que, mesmo nos momentos mais difíceis, é possível extrair aprendizados que podem nos ajudar a evoluir como seres humanos. Longe de nós querer que você acredite que existem lados bons em uma pandemia, mas é preciso exercitar a observação por outras perspectivas para que, de alguma forma, consigamos aprender lições importantes e deixar isso permear no nosso futuro. Em tempos de fake news e desavenças políticas e ideológicas, nos deparamos com rupturas em diversas relações e lares. A solidariedade conceituada como responsabilidade recíproca entre membros de uma comunidade ou simplesmente como gestos de amor ao próximo é um dos sentimentos que vem para amenizar as nossas diferenças e nos torna capazes de ver o outro como um indivíduo que, independente das diferenças, compartilha a mesma casa que

LER MAIS