ômega 3

visão

Como cuidar da visão? Confira dicas para manter seus olhos saudáveis

O nosso olhar é, de fato, uma das características mais intrigantes de cada um de nós. Ele se torna o assunto principal de poesias, composições musicais e obras visuais de artistas promissores. Afinal, é por meio do olhar que enxergamos as nuances do mundo em que vivemos e descobrimos coisas novas e apaixonantes. Não há dúvidas de que a visão é um dos principais sentidos humanos, mas ela não recebe a devida atenção. Quer ver só? Então responde aí, você está cuidando da sua saúde ocular? Pesquisas indicam que 34% dos brasileiros nunca se consultaram com um médico oftalmologista. E tem mais: cerca de 74% dos pacientes só buscaram atendimento após se queixarem de algum problema na visão. O cenário se agrava quando nos damos conta de que a maioria das doenças relacionadas à visão são “silenciosas”. Talvez, ao ser diagnosticada, já possa ter comprometido toda a sua capacidade de enxergar. Por isso, a prevenção e conscientização devem ser ensinadas. (1) Abra os olhos: descubra mitos e verdades sobre a saúde da visão Na hora de se informar sobre a nossa saúde, é importante estarmos sempre atentos em quem confiar. Falar de saúde é coisa séria e, quando mencionamos a área sensível dos olhos, existem recomendações específicas, uma vez que ela está sujeita ao contato externo. Por isso, trouxemos alguns esclarecimentos sobre a saúde da visão. (2) 1 – Só quem tem problema para enxergar deve procurar o Oftalmologista? A resposta é não. Até porque, existem várias doenças que, quando não identificadas e tratadas logo

LER MAIS
síndrome do ovários policístico

Como a nutrição pode ajudar na síndrome dos ovários policísticos?

Mulheres portadoras da síndrome do ovário policístico podem sentir uma série de sintomas capazes de influenciar na qualidade de vida. Por essa razão, elas necessitam de um acompanhamento que priorize não só as repercussões reprodutivas, estéticas e metabólicas da doença, mas que também ofereça um atendimento multiprofissional. A prática de atividades físicas combinadas a uma boa alimentação, pode resgatar e transformar a rotina saudável desse grupo de mulheres. (1) No texto de hoje, vamos falar sobre os aspectos nutricionais que envolvem o tratamento da síndrome do ovário policístico. Acompanhe: O que é SOP? A síndrome do ovário policístico (SOP) é uma doença originada pelo desequilíbrio dos hormônios na mulher, de causa multifatorial. Estamos falando de um problema endócrino complexo que interfere no metabolismo das pacientes, em que é comum apresentarem predisposição para diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares e, até mesmo, obesidade. Portadoras de SOP ovulam com menor frequência e têm ciclos, em geral, irregulares. (1,2) Embora ainda não se tenha conhecimento sobre a causa específica dessa doença, sabe-se que ao menos metade das mulheres portadoras têm problemas hormonais, como o excesso de produção de insulina pelo pâncreas e transtornos nas glândulas hipotálamo, hipófise e adrenais, resultando em uma maior quantidade de hormônios masculinos. A SOP é caracterizada pelo crescimento excessivos de pelos pelo corpo, acnes, alopecia, cistos ovarianos, irregularidade menstrual, seborreia, entre outros. Nesse sentido, alguns desses sintomas podem ser representados pelo termo “hiperandrogenismo”. (3,4) Fatores de risco da SOP Ao mencionar os riscos de conviver com a doença, a conversa fica um pouco mais

LER MAIS
exercício

Ômegas e performance esportiva: qual a relação?

A prática de esportes é ideal para colocar o corpo em movimento e superar seus próprios limites. A inatividade física é considerada um fator importante para o desenvolvimento de doenças crônicas, uma vez que o exercício físico pode ajudar a promover saúde e bem-estar quando realizado em intensidade moderada. (1,2) Para que um atleta consiga melhorar seu desempenho esportivo, é essencial que haja o equilíbrio entre as cargas de treinamento e os períodos de recuperação, prevenindo lesões musculares e outros problemas. (1,2) Com o intuito de evitar esse incômodo no momento de curtir seu esporte favorito e alcançar as necessidades diárias recomendadas, o uso de nutrientes e suplementos que possam melhorar o desempenho e recuperação pós-exercício físico vem recebendo cada vez mais atenção por parte dos atletas. Vários componentes naturais dos alimentos têm demonstrado efeitos fisiológicos que promovem a melhora no desempenho esportivo, desde aumentar a capacidade metabólica do indivíduo, retardar o início da fadiga, melhorar a hipertrofia muscular até diminuir os períodos de recuperação. (2,3) Sendo assim, neste texto, vamos falar sobre como a suplementação com ômegas pode ajudar na performance de quem faz esportes. Mas, primeiro, vamos abordar os efeitos do exercício físico no corpo. Você sabe quais os efeitos do exercício físico no nosso organismo? É de conhecimento de todos que praticar exercícios físicos promove mais saúde e bem-estar, porém, o exercício intenso pode resultar em danos oxidativos aos componentes celulares. O músculo esquelético produz radicais livres e, durante a atividade de contração muscular, essa produção aumenta ainda mais. Desse modo, o

LER MAIS

A evolução por meio de mudanças: conheça a Vital!

Há mais de 20 anos nascemos com o propósito de inspirar você a se cuidar e entendemos de que se trata de um processo que requer ética e transparência em todas as etapas. Ao longo de nossa trajetória, o fator transformação nos acompanhou. O debate da necessidade de mudanças no contexto mundial refletiu diretamente em nossa marca e no modo como nos posicionamos neste mercado altamente mutável. Neste texto, vamos falar sobre as mudanças que a Vital Âtman vivenciou em 2021, um ano repleto de lançamentos e novidades, visando novas experiências, conquistas, mais consciência e percepção. Foi um momento de olharmos para dentro de nós e refletirmos sobre tudo aquilo que julgamos necessário e fundamental. Nessa dinâmica, descobrimos nossos valores mais sinceros e traduzimos em um propósito que vai ao encontro de tudo o que aplicamos e defendemos durante essas mais de duas décadas: “Inspirar as pessoas a se cuidarem!”. Afinal, todos merecemos mais qualidade de vida e experiências indescritíveis.  Um novo propósito, mas com a mesma direção Definido o propósito, nasceu um novo slogan. Inspirado na missão, visão e valores da nossa marca, a sentença é simples e verdadeiramente essencial à nossa intenção de transformação: “Quem ama se cuida!”. O amor está presente em tudo o que produzimos e fazemos questão de transmitir esse ideal à comunidade, inclusive, esse sentimento é um dos valores que sustentam a nossa cultura, acompanhado de ética, inovação, integridade, transparência, visão colaborativa, consciência com o planeta e o olhar para o cliente. Uma outra mudança significativa da Vital Âtman

LER MAIS
EPA

EPA, coração e câncer: entenda essas relações

EPA! Já ouviu falar? Estamos falando do ácido eicosapentaenoico, um dos ácidos graxos mais importantes do tipo ômega 3, que não só atua na redução dos riscos de doenças cardiovasculares, como também na minimização de tumores cancerígenos. Sem contar os benefícios relacionados à sua propriedade antioxidante e anti-inflamatória, contribuindo para o bom funcionamento do organismo. (1) Este é um conteúdo que pode te auxiliar na jornada em busca de uma vida mais saudável. Sendo assim, neste texto, você vai entender os benefícios que o EPA oferece à nossa saúde e onde encontrá-lo para implementá-lo de vez na dieta. Vamos lá?! EPA e ômega 3 são a mesma coisa? O EPA é ômega 3, mas para responder a essa pergunta é importante entendermos que nem todo ômega 3 é igual ao outro. Mas, como assim? Bem, existem 3 tipos conhecidos e cada um age de modo distinto. Quando definimos o ômega 3, podemos dizer que trata-se de um ácido graxo poli-insaturado de cadeia longa que é constituído pelos ácidos alfa-linolênico (ALA), docosahexaenóico (DHA) e eicosapentaenoico (EPA). (1,2) O EPA e o DHA são considerados os ácidos graxos mais importantes do grupo ômega 3. Abordamos essa dupla no nosso mais recente e-book (INCLUIR LINK), você já conferiu? Essas gorduras são derivadas de animais e também podem ser encontradas em suplementos. O organismo humano não produz ômega 3, porém, o corpo é capaz de transformar o ALA em EPA e DHA, e os tecidos capazes de fazer isso, por meio de sistemas enzimáticos de alongamento e dessaturação, são:

LER MAIS
alimentos funcionais e superalimentos

A diferença entre alimentos funcionais e superalimentos

Provavelmente você já deve ter ouvido falar em alimentos funcionais e no termo “superalimentos”, popularizados nos últimos anos pelo crescente interesse em assegurar refeições mais saudáveis no dia a dia. Da perda de peso até a prevenção do câncer, (1) esses supostos mantimentos poderosos integram dietas milagrosas e cada vez mais adentram nossos lares. Logo, a fama gera dúvidas: será que essas denominações estão corretas? Superalimentos e alimentos funcionais são a mesma coisa? E, afinal, por que são considerados importantes? Nesse texto, você vai descobrir que alimentos milagrosos não existem e que uma alimentação equilibrada e diversificada é o caminho mais potente a ser seguido. (2) Superalimentos: existem mesmo ou é só marketing? A expressão “superalimentos” foi mencionada pela primeira vez em 2004, no livro “SuperAlimentos: Quatorze alimentos que mudarão sua vida” escrito pelo Doutor Steven Pratt. Mais tarde, com a disseminação desse termo, surgiram outros alimentos, além dos 14 apresentados pelo médico. (3) Superalimento é uma descrição utilizada para caracterizar produtos abundantes em nutrientes e considerados especialmente benéficos para a saúde. No entanto, não se trata de uma nomenclatura científica, mas de uma definição voltada para fins comerciais. (1) Reforçando: o termo “superalimento” é apenas uma criação de marketing alheia a qualquer determinação científica. (2) É preciso ter em mente que esses alimentos são excelentes para a manutenção da saúde, mas esse fato não os torna independentes e autossuficientes na dieta. Eles detêm agentes inibidores de doenças, oferecem propriedades anti-inflamatórias, reforçam o sistema imunológico e regulam o metabolismo. No entanto, a utilização do termo

LER MAIS
ômega 3 e gestação

Ômega 3: qual a importância para gestantes?

Os cuidados com a saúde devem estar presentes em todas as fases da vida, mas algumas, em especial, requerem mais atenção, como a gestação. O ômega 3 é um nutriente que pode ser aliado das mamães nessas fases que passam a ser cruciais em sua vida: gravidez, amamentação e a própria saúde do recém-nascido. Mulheres gestantes precisam cuidar de si e dos pequenos que estão a caminho. Estes pequeninos seres chegam ao mundo tão indefesos que precisam dos cuidados da mãe desde o ventre para que tenham um nascimento seguro e um desenvolvimento saudável. Ao longo da gravidez, a mulher possui diferentes necessidades nutricionais. O pré-natal é fundamental nesta fase, pois o acompanhamento mensal garante que todos os cuidados serão tomados. Além de explicarmos sobre os benefícios do ômega 3, vamos mostrar qual o melhor tipo de ômega 3 para o consumo durante o período de gestação. Ômega 3 Famoso no mundo e citado diversas vezes aqui no blog, já que suas funções são tão benéficas a saúde, o ômega 3 são ácidos graxos essenciais que não são fabricados pelo nosso organismo. Por ser fundamental à nossa saúde, precisamos garantir a ingestão dele através de alimentos e suplementos no dia a dia.(1)   Entre os benefícios mais conhecidos e relevantes, podemos citar: fortalecimento da memória, concentração e funções cognitivas, melhora no quadro de doenças cardiovasculares e obesidade.(2) Todos esses benefícios já foram amplamente estudados por médicos e cientistas. O que está na mira dos pesquisadores mais recentemente é como esse nutriente pode auxiliar a mulher

LER MAIS
Produção sustentável de ômega 3: será que isso é possível?

Produção sustentável de ômega 3: será que isso é possível?

Por diversas vezes, quando abordamos o esse tipo de ácido graxo poli-insaturado aqui no blog, deixamos claro que as principais fontes de DHA, um tipo de ômega-3, são os óleos de peixe. Será que é possível continuar produzindo esse tipo de alimento/suplemento em larga escala, de maneira sustentável, atendendo à demanda que se faz crescente cada vez mais, sem causar danos à natureza, aos recursos naturais e, ao mesmo tempo, não colocar esses animais em risco de extinção? Esse é o tema dessa publicação e vamos descobrir agora! Além disso, também vamos falar sobre a busca por outras fontes ricas de ômega-3 que não sejam os animais marinhos, pois se tornam uma alternativa em vários quesitos relacionados à sustentabilidade da produção dessas substâncias tão essenciais para a saúde humana. Por que o ômega-3 tem sido cada vez mais procurado pelas pessoas? Como citamos anteriormente e em diversas matérias publicadas aqui, os ácidos graxos são essenciais na saúde do corpo humano e não são produzidos por ele. Por isso, é preciso buscá-lo através da nossa alimentação. Nos últimos anos, notamos uma maior procura por esses alimentos que são necessários para manter em condições normais as membranas celulares, as funções cerebrais e a transmissão de impulsos nervosos. Além disso, os ácidos graxos poli-insaturados possuem propriedades anti-inflamatórias e antiarrítmicas, estando associados à melhora da saúde cardiovascular. E não para por aí: pesquisas mostram que eles são benéficos para o desenvolvimento visual de recém-nascidos e para a memória dos adultos e muitos outros pontos positivos. (1) Sendo assim, hoje,

LER MAIS

Ômega 3: conheça os benefícios para a saúde do coração

Todo mundo já ouviu falar que o ômega 3 faz bem para a saúde, certo? Mas você sabia que ele pode auxiliar – e muito – na saúde do nosso coração? Nesse texto, vamos abordar os principais benefícios desse óleo para o sistema cardiovascular. Mas antes, falaremos um pouquinho sobre o coração. Fique de olho no coração Segundo estudos da OMS (Organização Mundial de Saúde), a principal causa de morte no mundo são os doenças cardiovasculares. Para sermos mais exatos, as mortes por doenças associadas ao coração representam 30% das mortes globais. Outro dado importante é que 80% dessas mortes acontecem em países de média e baixa rendas – como o Brasil. (1) A base para as doenças cardiovasculares é o acúmulo de gordura, cálcio e outras substâncias nas artérias e veias, conhecida como aterosclerose. O grande problema é que a aterosclerose se desenvolve de forma silenciosa, e, quando se manifesta, pode ser tarde demais. (1) Problemas como o infarto e o acidente vascular encefálico estão associadas com determinantes fatores de risco cardiovascular, como a obesidade, hipertensão arterial sistêmica, diabetes etc. (1) Fora isso, a aterosclerose se qualifica por um processo inflamatório crônico na parede vascular, além de elevar os marcadores inflamatórios séricos, o que está relacionado a eventos cardiovasculares. (1) E como prevenir essas doenças? Controlar a pressão arterial, por exemplo, diminui a chance de eventos cardiovasculares. Além disso, quando falamos sobre os processos inflamatórios, medicamentos e mudanças no estilo de vida – como a alimentação – podem ajudar a limitar o processo de

LER MAIS

Ômega 3: conheça os benefícios desse ácido graxo na saúde da mulher

O universo feminino é cheio de particularidades e quanto mais nos aprofundamos nele, mais percebemos o quanto ele pode ser complexo e doce ao mesmo tempo. A saúde, parte essencial para uma vida plena e feliz em qualquer ser humano, na mulher, também deve ser abordada de uma maneira cuidadosa e analisando todos os fatores associados ao organismo feminino. Não é nenhuma novidade que, quando estamos falando de saúde, a alimentação se torna um personagem importante nesta pauta e é sobre ela e, especificamente, sobre o papel do ômega 3 na saúde da mulher que vamos conversar com você hoje. Antes de tudo, um resumo muito breve sobre quem são os ácidos graxos e sua relação com as inflamações no organismo: Os ácidos graxos são substâncias que fazem parte da estrutura de membranas celulares, participando de funções energéticas e metabólicas, além de formarem hormônios e sais biliares. (1) Todos os ômegas são considerados ácidos graxos, mas existem os que o nosso organismo é capaz de produzir e os que ele não produz. Os famosos ácidos graxos essenciais conhecidos como ômegas 3 e ômega 6, são exemplos dos que nosso corpo não produz e, por isso, devemos obtê-los através dos alimentos. (1) Como falamos, ambos são essenciais para o nosso organismo, mas é preciso atenção na quantidade de cada um que ingerimos. A ação do ômega 3 está relacionada com a prevenção de doenças inflamatórias. Já o ômega 6 tem um importante papel no bom funcionamento do sistema imunológico. Porém, quando está em excesso ou em

LER MAIS

Ômega 3 e crianças: mais saúde desde os primeiros dias de vida!

Os benefícios contidos nos alimentos estão presentes na nossa vida mesmo antes de nascermos! Os nutrientes que o bebê recebe ainda dentro da barriga da mãe são essenciais para sua formação e desenvolvimento saudável. Pensando nesse tema, vamos explicar a relação entre o ômega 3 com a saúde infantil e, para isso, vamos começar, literalmente, do começo, mas prometemos ir direto ao ponto! Acompanhe: Ácidos graxos e, especificamente, ômega 3: o que são? Os ácidos graxos fazem parte da estrutura das membranas das células e desempenham funções energéticas e metabólicas. Além disso, eles também estão presentes na formação dos hormônios e sais biliares.  O ômega 3 faz parte do que chamamos de ácidos graxos essenciais, que são aqueles que o nosso organismo não sintetiza (não produz) e que precisam ser providenciados por meio da alimentação ou suplementação. (1) O DHA, ácido docosahezaenoico, que está presente no ômega 3, é considerado o ácido graxo poli-insaturado de cadeia longa mais importante para o desenvolvimento do feto e, junto com o ácido araquidônico (AA), se tornam os principais componentes dos ácidos graxos do cérebro. (1) Ômega 3 no leite materno Após nascer, a função da placenta é substituída pelo leite materno no que diz respeito aos nutrientes que serão ingeridos pelo bebê. (1) Já ouviu dizer que o leite materno é um alimento completo? E é mesmo! É através dele que o pequeno continua recebendo os ácidos graxos essenciais. Para se ter uma ideia, o leite materno apresenta três vezes mais AA (ácido araquidônico) e DHA (ácido docosahezaenoico)

LER MAIS