Alimentação e inflamação, compreenda essa relação

Share on facebook
Share on twitter

Os alimentos que você ingere podem ajudar a manter a resposta inflamatória do seu corpo sob controle e evitar doenças crônicas.

Com as doenças autoimunes em ascensão, cada vez mais os estudos têm dado atenção à ligação entre elas e a inflamação, que tem causado inúmeras mortes nos últimos anos. A boa notícia é que os estudos têm focado nas diversas formas de inflamações aparentes no corpo e em como elas podem ser controladas.

O que é a inflamação?

Algum nível de inflamação no corpo é essencial, pois é um componente chave de resposta do sistema imunológico contra invasores. O sistema imunológico envia células brancas do sangue e outros mensageiros químicos para proteger o corpo contra ameaças tais como agentes patogênicos. A inflamação refere-se ao efeito amigável que ocorre durante este processo.
A diferença entre a inflamação que protege o seu corpo e a “inflamação disfuncional” (o tipo causador de doenças), é que neste segundo tipo, as células brancas do sangue e outros compostos não diminuem quando a ameaça é extinta. Seu sistema imunológico permanece em exaustão, os revestimentos das células sanguíneas são corroídos, os tecidos saudáveis são danificados, e preparados para “receber” as doenças crônicas.

“Se a resposta inflamatória fosse desligada, não teríamos sistema imunológico para nos proteger contra vírus, bactérias, agentes patogênicos, parasitas e câncer”, diz o Dr. Katz, médico PhD e autor do livro “À prova de doenças: A verdade notável sobre o que nos faz bem”. “Nós não viveríamos muito tempo. Precisamos da inflamação para sobreviver. Mas se o nosso sistema imunológico não funciona adequadamente, a inflamação pode nos matar.” diz o médico. Sua pesquisa mostra que a inflamação está ligada a algumas das principais causas de morte nos Estados Unidos, incluindo doenças cardíacas, derrame e câncer, bem como a obesidade, diabetes e demência. Hoje em dia, até 50 milhões de americanos estão afetados por doenças autoimunes tais como artrite reumatoide, lúpus, esclerose múltipla, e síndrome do intestino irritável.

O que causa a inflamação?

Uma série de fatores no ambiente em que vivemos e em nosso cotidiano podem levar à inflamação excessiva. Cigarros, poluição, falta de atividade física, obesidade, sono inadequado, estresse e até mesmo a solidão podem debilitar seu sistema imunológico. A alimentação é um dos fatores que mais causam a inflamação, assim como, é também o melhor caminho para curá-la.
“A alimentação é o material de construção das células brancas do sangue, mensageiros químicos e hormônios,” diz o Dr. Katz. “Certos elementos encontrados nos alimentos podem ser usados para gerar compostos inflamatórios, e certos elementos podem gerar compostos anti-inflamatórios. Se você tem um desequilíbrio em sua dieta, você vai ter um desequilíbrio também no resultado dela. “

O que você pode comer para combater a inflamação?

Assim como a inflamação não é inerentemente boa ou má, o Dr. Katz destaca que, quando falamos de alimentação, não é necessário concentrar-se em bons ou maus alimentos. “As pessoas têm uma tendência a começar uma dieta com fervor religioso”, diz ele. “Mas tudo depende do contexto, é uma questão de equilíbrio.” Por exemplo, sabemos que alimentos ricos em ácidos graxos ômega 3 são anti-inflamatórios.
Pesquisadores de Harvard descobriram que o nosso corpo converte os ácidos graxos ômega 3 em compostos que provocam uma espécie de desligamento no processo inflamatório. Mas isso não significa que você deve devorá-los. “Além de serem anti-inflamatórios, os ácidos graxos ômega 3 quando consumidos em níveis extremamente elevados, podem inibir as plaquetas e evitar a coagulação.”
Para nós, no entanto, consumir mais ômega 3 faz sentido, porque vivemos em um mundo onde ácidos graxos ômega 6 (promotores de inflamação) são encontrados com frequência em alimentos como frituras e industrializados. Minimizando o consumo desses alimentos e ingerindo mais opções de alimentos ricos em ômega 3, como sardinha, salmão, atum, arenque, linhaça e nozes, ou suplementando com suplementos de boa qualidade e isentos de metais tóxicos, já estaremos colaborando com o equilíbrio do nosso organismo e um sistema imunológico saudável.

“Nada precisa ser eliminado”, diz Dr. Katz. “Meu conselho pessoal é que você coma alimentos saudáveis. Se você conseguir manter uma dieta composta de alimentos nutritivos, como frutas, legumes, cereais integrais, feijões, lentilhas, óleos vegetais, peixes, carnes e ovos, você acaba recebendo os nutrientes que precisa para manter a inflamação sob controle. “Também sobra pouco espaço para itens inflamatórios como gorduras saturadas e amido refinado. Mas, se você ingeri-los de vez em quando, seu corpo já estará preparado para afastar os compostos causadores da inflamação, graças aos nutrientes que compõem a maior parte da sua dieta.

Para Dr. Katz, uma referência de dieta saudável baseia-se em muitos dos alimentos encontrados em uma dieta de estilo mediterrâneo. “Seguir este tipo de dieta pode reduzir riscos de inflamações e consequentemente, riscos de doenças.” diz ele. Em um estudo publicado na revista Blood, pesquisadores encontraram uma associação entre dieta mediterrânea e níveis mais baixos de plaquetas e glóbulos brancos. Outras pesquisas têm atribuído a dieta mediterrânea à uma diminuição do risco de doença de Alzheimer, diabetes, acidente vascular cerebral, ataque cardíaco, doença arterial coronariana, e muito mais.

O papel do Ômega 3 na inflamação
Os ácidos graxos ômega 3 atuam como inibidores de substâncias químicas produzidas naturalmente pelo organismo humano durante um processo inflamatório. Eles possuem ação anti-inflamatória, ao reduzir a síntese de derivados do ácido araquidônico: prostaglandina, tromboxano A2, prostaciclina e leucotrieno B4. A suplementação com ácido graxo ômega 3 pode ser valiosa, principalmente na abordagem de doenças que exijam tratamento crônico com anti-inflamatórios.

“Controlar a inflamação através da dieta pode ser bastante simples”, diz Dr. Katz. “O consumo de alimentos saudáveis juntamente com a prática de exercícios, dormir o suficiente e passar tempo com as pessoas que amamos, é a fórmula para viver uma vida mais longa. As pessoas que vivem dessa forma não são apenas saudáveis, elas são também mais felizes. No final, o equilíbrio é o que vai fazer você chegar lá.”

1 comentário em “Alimentação e inflamação, compreenda essa relação”

Deixe um comentário

Deixe aqui seu e-mail pra receber conteúdos incríveis sobre qualidade de vida.

Share on facebook
Share on twitter

VEJA TAMBÉM

Como corrigir uma dieta desequilibrada

Você sabe como corrigir uma dieta desequilibrada?
Quando se fala em dieta, todo mundo tem uma solução mágica: “você deve comer isso, você deve comer aquilo…”

Mas as nutricionistas não trabalham dessa forma. Elas entendem as características e necessidades de cada um para elaborar um cardápio personalizado.

No entanto, existem algumas regras básicas que podem ser aplicadas a todos quando as pessoas estão em uma dieta desequilibrada:

9 benefícios do óleo de orégano que você ainda não conhece

Quando se fala em orégano, logo a gente imagina um tempero, aquela folhinha verde que dá um sabor especial nos pratos, não é mesmo? Isso é verdade, mas além disso, o orégano tem uma série de propriedades que podem trazer muitos benefícios para a saúde como prevenção de infecções e inflamações, melhora da respiração, digestão e até do ciclo menstrual. Saiba mais:

Anchova: o peixe saudável rico em ômega 3

Sabe aquela história de que ninguém nunca viu cabeça de bacalhau? Mas e as anchovas? Você já viu esse peixe? Sabe como ele se parece? Agora sabe! Neste blog post você vai saber um pouco mais sobre esse peixe rico em ômega 3 que traz diversos benefícios para o organismo.