Estresse: quem está no controle?

Como lidar com o estresse e falta de tempo? Como organizar o cérebro para libertar do estresse? O estresse acompanha o homem desde o seu aparecimento. Tanto o “homus sapiens” como o do século 21, vivencia o estresse em sua vida diária. O estresse é uma situação que ocorre a todo instante aos seres humanos.
Share on facebook
Share on twitter

Como lidar com o estresse e falta de tempo? Como organizar o cérebro para libertar do estresse? O estresse acompanha o homem desde o seu aparecimento. Tanto o “homus sapiens” como o do século 21, vivencia o estresse em sua vida diária. O estresse é uma situação que ocorre a todo instante aos seres humanos.

Desde o nascimento, o feto que está acondicionado no útero materno em condições de equilíbrio, recebe da mãe os nutrientes, oxigênio, calor, afeto e amor. O nascimento do bebê vem acompanhado de fatores estressantes. Ao sair do útero aconchegante é recepcionado com várias pessoas adultas desconhecidas conversando, luz artificial, barulho, toques, expressões, ações novas, estranhas e desconhecidas, além de ter de respirar por conta própria.

O estresse na dose apropriada é uma circunstância onde o ser humano pode se beneficiar, porque o estimula, o prepara, o motiva, para enfrentar as diferentes situações e desafios da vida. Vários estudos e a experiência e vivência do dia a dia mostra que em muitas situações as pessoas submetidas ao estresse em doses controladas têm o desempenho melhor do que quando sem estresse. Portanto, o estresse pode ser benéfico.

Então quando é maléfico? Quando a resposta à demanda ou ao agente estressor for insuficiente para debelá-lo. Neste mundo considerado evoluído e moderno, os agentes estressores são cada vez maiores em número e intensidade.

O número diário de informações e estimulação simultânea excessiva que as pessoas recebem no dia a dia, gera grande sobrecarga aos órgãos dos seus sentidos. Recebem informações visuais, auditivas, cinestésicas, gustativas, olfativas, além de milhares de pensamentos, de emoções e sentimentos diários que ao serem processados pode levar a exaustão.

O desencadeamento de distúrbios provocados pelo estresse que as pessoas são submetidas tornam-se preocupantes, quando associados a emoções reativas, negativas, pessimistas e destrutivas, tais como: raiva, inveja, ciúme, hostilidade, culpa, ansiedade, preocupação, tristeza e medo. Nestas situações há uma produção excessiva dos hormônios adrenalina e cortisol, responsáveis por uma superestimulação de todos os órgãos do corpo e de inibição da produção de alguns neurotransmissores que produzem prazer e bem estar.

Com isso abre-se o caminho para o aparecimento dos sintomas e doenças, afetados ou desencadeados pelo estresse, tais como: hipertensão arterial, infarto, doenças, gastrointestinais, respiratórias, dermatológicas, reumáticas e do cérebro( cefaléia, distúrbio do sono, de memória, irritabilidade, ansiedade, depressão, psicopatias).

Você precisa estar consciente que é impossível viver sem estresse. O que não é interessante é ser refém do mesmo. Para evitar os efeitos deletérios do estresse, você precisa acionar a sua mente para não só coibir o aparecimento dos efeitos do estresse, como também saber controlá-lo e prevenir antes de aparecer os sintomas.

Sabemos que os  ciclos da vida e da natureza são regidos por um equilíbrio e harmonia. O aparecimento dos efeitos nocivos do estresse deve-se ao desequilíbrio da homeostase, devido às demandas serem insuficientes para controlá-los. Se o aumento da adrenalina e do cortisol são os responsáveis pelo aparecimento dos efeitos deletérios do estresse você pode atuar de modo a neutralizá-los.

A pergunta é: como?

A resposta é atuar de modo a reduzir a produção dos hormônios deletérios em seus níveis basais, o suficiente para manter o organismo em equilíbrio. Para que isto aconteça, torna-se necessário aprender a domar a mente selvagem, instintiva, negativa, destrutiva ou seja a reptiliana.

Primeiro, aprender a ser benevolentes com as limitações como seres humanos em evolução.

Depois aprender a filtrar todos os estímulos estressores em demasia, eliminar a emoções negativas, reativas e trocá-las por positivas, proativas e altruísticas. Programar atividades que estimulam o cérebro a produzir neurotransmissores que promovam o bem estar, euforia, combate a dor, como a dopamina, serotonina, anandamida e endorfinas.

Isto pode ser  conseguido através de atividades  físicas, arte, música relaxante, yoga, tai chi  chuan, meditação, risoterapia, contato com natureza, com animal de estimação, boa interatividade com família e  amigos.

A partir do momento em que  você conseguir domar sua mente manhosa e sevalgem e incorporar o uso da sua inteligência emocional e espiritual, estará apto para promover  mudanças dos seus pensamentos,  comportamentos, sentimentos e atitudes, e capacitado para abrir as portas para o controle efetivo do estresse. Cabe a você dar o primeiro passo.

 

 

Eduardo Carlos da Silva
Neurocirurgião e Coach.
CRM: 36865

3 comentários em “Estresse: quem está no controle?”

Deixe um comentário

Deixe aqui seu e-mail pra receber conteúdos incríveis sobre qualidade de vida.

Share on facebook
Share on twitter

VEJA TAMBÉM

Ômega 3 durante a gravidez pode diminuir o risco de asma

Dificuldade de respirar, chiado, tosse, respiração rápida e curta. Estes são alguns sintomas da asma, doença que afeta 235 milhões de pessoas no mundo, sendo que deste total 6,4 milhões são brasileiros. Os dados são da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Mas pode haver uma maneira de mudar isso. Um estudo dinamarquês recentemente publicado no “New England Journal of Medicine” descobriu que as mulheres que suplementaram com ômega 3 durante os último trimestre de gravidez, reduziram o risco de seus filhos desenvolverem asma em cerca de um terço.

Então o óleo de peixe poderia ser uma boa alternativa natural para prevenir a asma?