Como lidar com a perda óssea na pós menopausa? Confira 5 dicas

Share on facebook
Share on twitter
perda ossea

A trajetória da mulher através da menopausa é uma fase da vida marcada por transformações profundas e desafiadoras. À medida que o ciclo menstrual se encerra e o corpo se adapta a uma nova realidade hormonal, surgem questões de saúde que merecem nossa atenção especial.

Uma dessas questões é a perda óssea na pós-menopausa. Neste texto, vamos falar sobre o impacto dessa transformação no corpo feminino e as medidas que podem ser adotadas para promover a saúde óssea e o bem-estar nessa fase da vida.

O que pode influenciar a perda óssea? 

A quantidade de osso em nosso corpo atinge seu nível máximo logo após o término de nosso crescimento, determinado pelos nossos genes. No entanto, o ambiente em que vivemos também desempenha um papel crucial na quantidade final de osso que teremos. (1)

Estudos com gêmeos idênticos sugerem que, ao longo da vida, fatores ambientais podem ser mais importantes do que os genes por si só quando se trata de perder massa óssea. Isso ressalta o quanto o ambiente influencia a osteoporose, uma condição que enfraquece os ossos. (1)

Após atingirmos o pico de massa óssea, começamos a perder um pequeno percentual dela a cada ano, e essa perda se torna mais rápida após a menopausa nas mulheres, chegando a ser até 10 vezes maior do que antes da menopausa. (1)

Nos primeiros 5 a 10 anos após a última menstruação, essa perda pode ser significativa, afetando diferentes tipos de osso em nosso corpo. (1)

perda ossea

Osteoporose na pós menopausa

A osteoporose é uma doença que deixa os ossos frágeis e suscetíveis a quebras, mesmo com pequenos impactos ou quedas cotidianas. As fraturas causadas por essa condição ocorrem mais comumente no pulso, braço, quadril, pelve e coluna, causando dor intensa, limitações e, em casos graves, pode até levar à morte. (2)

Após a menopausa, as mulheres enfrentam um risco elevado de desenvolver osteoporose devido à rápida perda de densidade óssea. Normalmente, a densidade óssea atinge seu ponto máximo por volta dos 20 anos e, a partir daí, permanece relativamente constante até a menopausa, que, geralmente, ocorre por volta dos 45 anos. (2)

O estrogênio, um hormônio essencial, desempenha um papel crucial na manutenção da saúde dos ossos ao longo da vida. Nossos ossos estão em constante renovação, envolvendo células chamadas osteoclastos, que reabsorvem o osso antigo, e osteoblastos, que estimulam a formação de osso novo. (2)

Quando a menopausa chega, as mulheres começam a ter falta de estrogênio, mesmo antes de pararem completamente de menstruar. Essa deficiência de estrogênio leva a uma maior absorção óssea em relação à formação óssea, resultando na perda de densidade óssea. (2)

Esse problema é ainda mais sério em mulheres que tiveram seus ovários removidos cirurgicamente ou em pacientes com câncer que receberam quimioterapia. (2)

perda ossea

 

5 maneiras essenciais de diminuir a osteoporose e o perigo de fraturas 

1 – Praticar exercícios regularmente

Adotar hábitos saudáveis, como exercícios regulares, é essencial para manter os ossos saudáveis e tratar a osteoporose. (3)

Exercícios aeróbicos e musculação são eficazes na preservação da densidade óssea em mulheres após a menopausa, beneficiando a coluna vertebral e o quadril. Evite exercícios de alto impacto se você já tem osteoporose para evitar fraturas. (3)

A prática regular de exercícios também melhora o equilíbrio, flexibilidade e força muscular, reduzindo o risco de quedas e fraturas. Portanto, fazer atividade física regularmente é uma estratégia valiosa para a saúde dos ossos. (3)

2 – Garantir uma dieta rica em nutrientes benéficos para os ossos

Consumir cálcio suficiente, seja através da alimentação ou suplementos quando necessário, é muito importante. A vitamina D também pode desempenhar um papel importante, ajudando nosso corpo a absorver o cálcio que ingerimos. (3)

Além disso, garantir o consumo proteína em quantidade adequada é importante, pois estudos mostram que isso pode ajudar a manter os músculos e evitar a perda de massa óssea. Sem contar que a proteína também é necessária para que o cálcio beneficie nossos ossos. (2)

3 – Evitar hábitos de estilo de vida negativos e manter um peso saudável

Maus hábitos que afetam a saúde geral também podem prejudicar os ossos, incluindo tabagismo, consumo excessivo de álcool e magreza. Fumar aumenta o risco de fraturas, enquanto o excesso de álcool prejudica as células e hormônios que fortalecem os ossos. (2)

Manter um peso saudável é fundamental, já que estar muito magro pode aumentar a perda óssea e o risco de fraturas. Certifique-se de obter calorias e nutrientes suficientes na dieta para manter os ossos e músculos saudáveis. (2)

4 – Identificar os seus fatores de risco, mesmo os que não pode mudar

Para avaliar o risco de fraturas osteoporóticas, é importante considerar fatores não modificáveis, como histórico de fraturas por fragilidade óssea após os 50 anos, histórico familiar de osteoporose ou fraturas, uso de medicamentos que afetam os ossos, condições de má absorção, como doença de Crohn ou doença celíaca, artrite reumatoide, menopausa precoce ou ooforectomia antes dos 45 anos e tendência a quedas frequentes. (2)

5 – Falar com o seu médico, fazer exames e receber tratamento, se necessário

A menopausa é um momento importante para a saúde óssea. Conversar com o médico e fazer um exame de densidade óssea é indicado, especialmente se houver fatores de risco. (2)

Quedas também devem ser prevenidas. Dependendo dos resultados, o médico pode recomendar suplementos, exercícios, medicamentos ou acompanhamento. (2)

Dieta saudável e atividade física são importantes para cuidar da saúde durante a menopausa, tornando esse período oportuno para o autocuidado. (2)

Em resumo, a menopausa é um período inevitável na vida das mulheres e a saúde óssea é uma preocupação central. Encorajamos todas as mulheres a discutirem sua saúde óssea com seus médicos, considerando fatores de risco e avaliações clínicas.

A prevenção, incluindo suplementação, exercícios e tratamentos, é fundamental, mas também destacamos a importância de um estilo de vida saudável.

Com a educação e o cuidado médico adequados, cada mulher pode encarar a menopausa com confiança, visando um futuro de saúde e vitalidade.

Fontes:
  1. RADOMINSKI, S. C. et al. Osteoporose em mulheres pós-menopausa. Projeto Diretrizes. Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia e Sociedade Brasileira de Reumatologia. 2002. Disponível em: https://amb.org.br/files/_BibliotecaAntiga/osteoporose-em-mulheres-na-pos-menopausa.pdf. Acesso em 05. out. 2023
  2. INTERNATIONAL OSTEOPOROSIS FOUNDATION. Mulheres fortes fazem mulheres ainda mais fortes – Cinco estratégias fundamentais para cuidar dos ossos após os 50 anos.
  3. SOCIEDADE BRASILEIRA DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA. Osteoporose primária pós-menopausa. Disponível em: https://sbot.org.br/osteoporose-primaria-pos-menopausa/. Acesso em 05. out. 2023

Deixe um comentário

Deixe aqui seu e-mail pra receber conteúdos incríveis sobre qualidade de vida.

Share on facebook
Share on twitter

VEJA TAMBÉM

Sete benefícios do salmão que você precisa conhecer!

O salmão, aquele peixe delicioso de cor característica você já conhece, mas sabe desde quando ele é consumido?

Há mais de cinco mil anos a tribo indígena norte-americana Nisqually já consumia este peixe.

O salmão também desempenhou um papel central em muitos aspectos da espiritualidade e da religião…

A importância do DHA na cadeia alimentar

Você sabia que o DHA presente nas algas pode “viajar” pela cadeia alimentar? Saiba como ingerir esta substância através de alimentos como peixes e carnes.

Lembra da expressão “cadeia alimentar” das aulas de biologia? Ótimo, pois, agora você vai saber como o DHA, presente nas algas, pode ser ingerido por você através deste processo e como este nutriente pode beneficiar a sua saúde.