Medicina Integrativa: o paciente participando ativamente da própria saúde

Share on facebook
Share on twitter
medicina integrativa

No ano de 1946, a Organização Mundial da Saúde (OMS) determinou que ter saúde não é apenas a ausência de doença ou enfermidade, mas sim um estado de completo bem-estar físico, mental e social. Visto isso, percebeu-se a relevância de analisar o corpo, a mente e até mesmo o contexto social de cada um, focando na pessoa como um todo, com o objetivo de obter o melhor da saúde e cura. (1,2)

Considerando a busca pelo avanço dos recursos para a manutenção da saúde, você já parou para pensar na importância da relação entre o paciente e o profissional nesse meio? Cada vez mais é essencial que haja uma parceria entre o médico e o paciente para que este deixe de receber passivamente o tratamento de alguma enfermidade e passe a participar ativamente da própria saúde. (2)

Essa é a premissa da Medicina Integrativa, assunto principal do nosso texto de hoje.

O que é Medicina Integrativa?

A medicina integrativa é um novo modelo de cuidado desenvolvido pela OMS, que insere práticas alternativas aos procedimentos tradicionais. (3)

A abordagem é centrada no paciente de modo individualizado, que visa tratá-lo de forma holística (corpo, mente e espiritualidade), pois reconhece que cada ser é singular em suas características biológicas, emocionais, sociais e culturais. Afinal, todos esses aspectos humanos são inseparáveis. (4,5)

Também conhecida como saúde integrativa, saúde holística, saúde integral ou medicina holística, a medicina integrativa entende a saúde numa perspectiva em que os seres humanos funcionam como unidades completas e integradas, não em partes separadas. Dessa forma, considera todas as dimensões humanas no processo de cura. (5)

Vale ressaltar, ainda, que a medicina integrativa é sempre baseada em evidências científicas e acredita na interdisciplinaridade, reunindo profissionais de diversas áreas e formações, como melhor forma de assistência ao paciente. (4)

medicina integrativa

A Medicina Integrativa no Brasil

Em nosso país, a implantação das práticas alternativas no Sistema Único de Saúde (SUS) teve início em 2006, com a criação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC). (4)

Essas práticas, também chamadas de PICS (Práticas Integrativas e Complementares em Saúde) são recursos terapêuticos que buscam a prevenção de doenças e a recuperação da saúde, com destaque na escuta acolhedora, no desenvolvimento do vínculo terapêutico – como a relação do paciente com o profissional – e na integração do ser humano com o meio ambiente e a sociedade. (6)

Atualmente, o Brasil conta com 29 PICS pelo SUS. Saiba quais são algumas delas: aromaterapia, bioenergética, constelação familiar, terapia de florais, hipnoterapia, musicoterapia, quiropraxia, yoga, meditação, arteterapia, biodança, homeopatia, entre outros. (6,7)

Essas práticas são investimentos em prevenção à saúde para evitar que as pessoas fiquem doentes. Felizmente, todas essas atividades tornam o nosso país referência mundial nessa modalidade! (7)

Medicina Integrativa x Medicina Convencional

A Medicina Convencional ou Tradicional é a soma de conhecimentos, capacidades e práticas baseadas em teorias, crenças e experiências de diferentes culturas. O método convencional é utilizado para manter a saúde e prevenir, diagnosticar, melhorar ou tratar doenças físicas e mentais. (8)

No entanto, nas últimas décadas, o movimento de busca pelas práticas alternativas aumentou em razão da insatisfação com o modelo biomédico vigente – tão focado na resolução rápida de doenças já instaladas. Com isso, foi crescente o desejo de formas mais sofisticadas e ampliadas de escuta e cuidado, o que levou à procura de práticas alternativas, de modo que o número de profissionais que praticam outros modelos de cuidado está em expansão. (4,9)

O que diferencia a medicina integrativa e a medicina convencional é o fato de não escolher apenas um recurso terapêutico para complementar os tratamentos convencionais. A medicina convencional tem um caráter mais curativo do que preventivo, além de não tratar o ser humano em toda sua complexidade. Já a medicina integrativa é mais abrangente, adicionando técnicas da medicina alternativa e complementar à medicina convencional. (4,5)

medicina integrativa

Quais os benefícios da Medicina Integrativa?

Esse tipo de abordagem das necessidades de cada indivíduo de forma holística pode trazer diversos benefícios, como: (5)

  • Proporcionar acolhimento e humanização ao atendimento, fazendo com que o paciente se sinta mais participativo, facilitando também sua adesão ao tratamento;
  • Promover o bem-estar, já que a medicina integrativa conta com uma equipe multidisciplinar que atua diretamente nas necessidades do indivíduo;
  • Resultar em um tratamento mais eficiente, pois as práticas atuam nos diversos fatores que contribuem para o desenvolvimento da enfermidade;
  • Realizar um tratamento mais abrangente e completo, pois não se descarta a terapêutica convencional em razão da integral.

Concluindo, a Medicina Integrativa é uma forma de mostrar que a saúde também é uma responsabilidade de cada pessoa. As práticas realizadas buscam a promoção de saúde no contexto individual e coletivo, estendendo o conceito de saúde para além do estado de “ausência de doença”. (2,4)

Felizmente, o Brasil está investindo cada vez mais nesse modelo terapêutico que é promissor, não somente dentro dos cuidados com a saúde em modo geral, mas também para o progresso do cuidado e qualidade de vida de todas as pessoas. (10)

Fontes:
  1. BRASIL. Ministério da Saúde. O que significa ter saúde? 2020. Disponível em: <https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/saude-brasil/eu-quero-me-exercitar/noticias/2021/o-que-significa-ter-saude>. Acesso em 26 set. 2022.
  2. HOSPITAL ALBERT EINSTEIN. Medicina Integrativa. Disponível em: <https://www.einstein.br/especialidades/oncologia/conheca-oncologia-einstein/medicina-integrativa>. Acesso em 26 set. 2022.
  3. MEDICINA integrativa busca novo modelo de cuidado ao paciente. Jornal da USP, 2017. Disponível em: <https://jornal.usp.br/atualidades/medicina-integrativa-busca-novo-modelo-de-cuidado-ao-paciente/>. Acesso em 26 set. 2022.
  4. GOEDERT, Maria Cecília C. Campos et. al. Os benefícios da medicina integrativa e os desafios para a sua implantação no Brasil: revisão de literatura. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 13, n. 7, 2021.
  5. GIRONDOLI, Yassana Marvila; SOARES, Mirian C. de Rezende. Saúde integrativa – ampliando o cuidar e o autocuidado do ser humano. Coordenadoria de Atenção à Saúde do Servidor, Espírito Santo, 2021. Disponível em: <https://prodi.ifes.edu.br/images/stories/Saúde_Integrativa.pdf>. Acesso em 26 set. 2022.
  6. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Disponível em: <https://aps.saude.gov.br/ape/pics>. Acesso em 26 set. 2022.
  7. CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DE SÃO PAULO. Ministério da Saúde inclui 10 novas nas práticas integrativas do SUS. 2018. Disponível em: <http://www.crfsp.org.br/comissoes/487-acupuntura/noticias/10074-amplia%C3%A7%C3%A3o-de-procedimentos.html>. Acesso em 26 set. 2022.
  8. ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE. Medicinais tradicionais, complementares e integrativas. Disponível em: <https://www.paho.org/pt/topicos/medicinas-tradicionais-complementares-e-integrativas>. Acesso em 26 set. 2022.
  9. OTANI, Márcia Aparecida Padovan; BARROS, Nelson Filice de. A Medicina Integrativa e a construção de um novo modelo na saúde. Ciênc. Saúde Coletiva, v. 16, n. 3, 2011. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/csc/a/9QPwFdccDdPTSb633rbJVBq/>. Acesso em 26 set. 2022.
  10. THIESEN, Ana Beatriz Tavares; THIESEN, Leticia de Cassia Tavares; MAIA, Tatiana Peres de Assis. Revisão sistemática sobre a busca e a efetividade das práticas de medicina integrativa e complementar em diferentes áreas da medicina convencional. In: XIX ENCONTRO CIENTÍFICO CULTURAL INTERINSTITUCIONAL. Anais eletrônicos… 2021. Disponível em: <https://www2.fag.edu.br/coopex/inscricao/arquivos/ecci_2021/08-10-2021–20-02-42.pdf>. Acesso em 26 set. 2022.

Deixe um comentário

Deixe aqui seu e-mail pra receber conteúdos incríveis sobre qualidade de vida.

Share on facebook
Share on twitter

VEJA TAMBÉM

15 de setembro, dia do cliente: obrigado pela confiança!

Pode ser no café da manhã, almoço, entre as refeições ou antes de dormir. Já faz parte da sua rotina tomar os suplementos da Vital Âtman. Entre tantos produtos disponíveis no mercado você escolheu os nossos. Isso se chama confiança.